Livro de Mafrano chega a Ndalatando

Livro de Mafrano chega  a Ndalatando

O livro “Os Bantu na visão de Mafrano” será apresentado no próximo dia 23 de Julho, 11h00, na Casa da Juventude de Ndalatando, capital da província do Cuanza-Norte.

Autor: JORNAL DE ANGOLA (21/07/2022)

A iniciativa está a ser apoiada pela Direcção Provincial da Cultura que pretende receber a obra de Mafrano como a de um “filho insigne do Cuanza-Norte” a quem o arcebispo emérito do Lubango, Dom Zacarias Kamuenho, chamou de “O antropólogo maior!”.

Maurício Francisco Caetano, o autor desta obra, nasceu na cidade do Dondo aos 24 de Dezembro de 1916 e fez os seus estudos no Seminário do Sagrado Coração de Jesus em Luanda.

Já adulto, o autor regressou à sua província natal, trabalhando como funcionário dos Serviços de Fazenda e Contabilidade nas cidades de Ndalatando e Golungo Alto, entre os anos 50 e 70, além de outros pontos de Angola como o Cuanza-Sul, Cabinda, Uíge e na região dos Dembos.

Com a independência de Angola, em 1975, incorporou-se no Ministério das Finanças, em Luanda até à sua morte  em Julho de 1982.

O livro “Os Bantu na visão de Mafrano” foi editado pela família do autor a partir de textos dispersos no Jornal católico “O Apostolado”, entre os anos 1957 e 1982, e faz parte de uma colectânea a ser publicada em três volumes. A obra foi lançada em Luanda no passado dia 14 de Maio.

Prosélito Dala, director adjunto da Casa da Juventude de Ndalatando, na imagem acima, é um dos organizadores da homenagem a Maurício Caetano, que coincide com os 40 anos do seu passamento físico (1916-1982)
Cuanza-Norte

Dia Mundial das Bibliotecas comemorado em Luanda

Dia Mundial das Bibliotecas comemorado em Luanda

O livro sobre antropologia cultural angolana “Os Bantu na visão de Mafrano” (Ed. 2022) voltou a estar em destaque, desta vez nas celebrações do Dia Mundial das Bibliotecas, 1 de Julho, que decorreram na Biblioteca Nacional de Angola, em Luanda.
A obra póstuma do escritor Maurício Francisco Caetano, Mafrano, foi devorada em poucos minutos e recebeu convites para participar em mais exposições e feiras do livro.
Durante a cerimónia alusiva ao Dia Mundial das Bibliotecas, a tónica foi para a promoção do livro e da leitura.
O contributo dos participantes também ficou registado: «é importante promover a literatura através dos meios de comunicação social, das redes sociais e das plataformas de comunicação como o Zoom, Google Meeting e o YouTube. », disse a propósito o jornalista e escritor José Soares Caetano, «Tazuary Nkeita».

Moçambique quer conhecer melhor a História de Angola

Moçambique quer conhecer melhor a História de Angola

Maputo 1/7/2022 – Apresentação do tratado de Historia “Angola: desde antes da sua criação pelos portugueses até ao êxodo destes por nossa criação” (Ed. 2021), pelo autor, o professor catedrático e representante da Universidade Agostinho Neto, de Angola, Carlos Mariano Manuel, na conferência internacional alusiva às comemorações dos 60 anos do ensino superior em Moçambique e Angola (1962-2022). Foi um acolhimento entusiástico e generalizado pelos académicos, intelectuais e responsáveis de importantes instituições moçambicanas. Estiveram presentes os ministros de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior da República de Moçambique e da República de Angola, bem como reitores de dezenas de Universidades de Moçambique e Angola.

Várias instituições manifestaram o interesse em ter acesso a esta monumental obra recentemente publicada em Angola e Portugal, e disponível em www.AUTORES.club.

Assinatura de um amplo Acordo no âmbito do ensino superior pelos ministros da Republica de Angola e da República de Moçambique
Momento cultural no inicio da sessão de encerramento.

Senhores do Sol e do Vento

Senhores do Sol e do Vento

“ETU TWALIKULIHÃ(1)

Nota do Editor: João Ricardo Rodrigues

É com enorme júbilo que incluímos no nosso portfólio de livros sobre a História de Angola, a extraordinária obra literária de José Bento Duarte, “Senhores do Sol e do Vento”, publicada em Portugal, em 1999, com grande êxito, pela Editorial Estampa e Círculo de Leitores.
Na preparação desta reedição recebemos do autor a indicação de que na capa do livro “deveriam surgir os habitantes do território e que estivessem representados na plenitude do seu orgulho e dignidade, bem como na magnífica consciência da sua Liberdade e Independência”, valores que comungamos sem qualquer hesitação. É realmente deslumbrante observar hoje, nas capas, a memória visual registada nas ilustrações de Capelo e Ivens, que sobre o soberano escreveram: “Muene N’Dumba-Tembo é um homem elegante, de figura distinta, tipo inteligente, ar nobre e maneiras delicadas”.
Sobre esta obra recordo as palavras de José Pedro Barreto no Semanário Económico (1/10/1999): “(…) Caí sobre “Senhores do Sol e do Vento”, de José Bento Duarte. E com ele mergulhei na história de Angola (…) É a crónica cheia de peripécias da colonização do litoral, em busca de consolidar entrepostos de comércio ou pontos de apoio em rota para a suprema ambição das Índias. Bento Duarte conta-a em prosa absorvente, nomeando os protagonistas — gente de toda a espécie onde se misturam heróis, patifes, aventureiros, funcionários dedicados e rebeldes sem rei nem roque. Para esta gente, o vasto interior angolano sempre foi um lugar de mistérios e perigos sem nome, mas também de eldorados e riquezas à espera de ser tomadas (…) Bento Duarte evoca a terra angolana como tantos ainda a sentem.”

(1) Em português “nós já nos conhecemos”.
Do poema “…TEMPO RECÍPROCO…” (RAÍZES CANTAM, 2017,
ISBN 978-989-99756-9-9) do jovem poeta de Benguela, Job Sipitali,
“(…) NÓS paramos na consciência e respondemos ao tempo: Etu Twalikulihã”

(mais…)

Maka internacional na UEA

Maka internacional na UEA

29/6/2022 – Mais uma famosa “Maka à quarta-feira” desta vez num encontro para “Recordar Agostinho Neto e Simón Bolívar, os Libertadores” na sede da União dos Escritores Angolanos, em Luanda.  Na foto momentos em que se procedia à exposição do nosso livro Os Bantu na visão de Mafrano

Foi mais uma vez possível testemunhar que Maurício Francisco Caetano (Mafrano) já era um notável professor aos 29 anos e que os seus alunos, daquele e de outros tempos, falam dele ainda hoje com muito orgulho.

O interesse pelo livro, recentemente lançado em Luanda, também foi notório e as perguntas, foram incontornáveis:

— Onde estão a vender esta obra? – perguntaram uns.

— E o segundo volume, quando sai?

— Eu fui aluno de Português de Mafrano, no Instituto Comercial de Luanda, e comigo muitos outros que hoje andam por aí! – segredou-nos outro, enumerando os nomes!

Universidade Eduardo Mondlane recebe tratado da História de Angola

Universidade Eduardo Mondlane recebe tratado da História de Angola

Três meses depois de ter sido apresentado em Luanda, na antiga fortaleza de São Miguel, o tratado de História, “Angola: desde antes da sua criação pelos portugueses até ao êxodo destes por nossa criação” (Ed. 2021), chegou à Universidade Eduardo Mondlane (UEM), na República Moçambique.

O magnífico reitor da UEM, Prof. Doutor Manuel Guilherme Júnior, recebeu com elevado regozijo a obra oferecida pelo seu homólogo da Universidade Agostinho Neto (Luanda, Angola), Prof. Doutor Pedro Magalhães. A reitoria da UEM providenciou no sentido de duas outras importantes entidades do pais lusófono do Oceano Indico, receberem uma colecção desta inédita obra.

O autor deste monumental tratado de História de Angola, Prof. Doutor Carlos Mariano Manuel, assistiu a cerimónia realizada na reitoria da universidade.

O professor catedrático, Pedro Magalhães, magnífico reitor da Universidade Agostinho Neto no histórico momento de entrega de algumas colecções da primeira e segunda edição do tratado de História de Angola ao Prof. Doutor Manuel Guilherme Júnior, Magnifico Reitor da Universidade Eduardo Mondlane, no decurso do acto para o efeito realizado a 28 de Junho de 2022 na Reitoria da Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo (Moçambique).

O Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, afirmou que é fundamental “diversificar o conhecimento”, na Conferência dos 60 anos de ensino superior em Angola e Moçambique.

Tratado da História de Angola apresentado na rádio ECCLESIA

Tratado da História de Angola apresentado na rádio ECCLESIA

8 de Junho de 2022 — Rádio ECCLESIA entrevista o professor catedrático e investigador em História, Carlos Mariano Manuel, a propósito da publicação do monumental tratado da História de Angola “Angola: desde antes da sua criação pelos portugueses até ao êxodo destes por nossa criação” e recentemente apresentado na fortaleza de São Miguel , em Luanda.

O Bispo da Diocese da Provincia do Bengo com sede em Caxito, D. Mauricio Agostinho Camuto, recebeu o entrevistado e manifestou um grande regozijo que sentiu no termo da entrevista.

Arquivo recebe Tratado da História de Angola

Arquivo recebe Tratado da História de Angola

O Arquivo Histórico Ultramarino (AHU) recebeu no passado dia 2 de Junho de 2022, a primeira edição do tratado da história de Angola “Angola: desde antes da sua criação pelos portugueses até ao êxodo destes por nossa criação” (Ed. 2021), de Carlos Mariano Manuel, investigador em História, médico e catedrático em Patologia.

O editor, João Ricardo Rodrigues, entregou esta primeira edição, de tiragem limitada e de grande prestígio (exclusiva para coleccionadores e bibliotecas), à directora do Arquivo Histórico Ultramarino, Dr.ª Ana Canas Delgado Martins e à Dr.ª Maria Teresa Neves, curiosamente descendente de uma antiga família de Benguela (Angola) e refugiada de guerra no conturbado processo de independência nacional.

O editor, em nome do autor, aproveitou para agradecer a existência deste valioso arquivo (um património fundamental para conhecer a História de vários países), e exaltar o trabalho de conservação da equipa do AHU. 

A direcção do AHU tinha solicitado esta obra à editora “pela estreita ligação que tem com o acervo do Arquivo”, e aproveitou esta oferta para manifestar o seu regozijo e surpresa pela dimensão deste empreendimento independente (26 anos de investigação + um ano de edição), tendo também realçado a forte e estreita ligação com o Arquivo Nacional de Angola (ANA). 

O Arquivo Histórico Ultramarino foi criado em 1931, no âmbito do Ministério das Colónias, em 1973 foi integrado na Junta de Investigações Científicas do Ultramar. Na sequência da extinção do Instituto de Investigação Científica Tropical, o Arquivo Histórico Ultramarino foi integrado na Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas. O AHU tem a responsabilidade de arquivar, conservar e tratar tecnicamente a documentação existente de interesse ao estudo e conhecimento da história colonial. 

A Biblioteca do Arquivo Histórico Ultramarino é maioritariamente constituída por obras sobre a história da presença dos portugueses no mundo e das comunidades com as quais se relacionaram, nas suas várias vertentes (15900 monografias e 720 títulos de publicações em série, num total aproximado de 35000 volumes).

“Pensar Angola” em Angola

“Pensar Angola” em Angola

O ex-primeiro-ministro, Marcolino Moco, o empresário, Francisco Viana, o músico, Eduardo Paim e alguns académicos lançaram com sucesso o projecto “Pensar Angola”.



MENSAGEM DA ORGANIZAÇÃO

O Congresso da Nação…!

Por um Projecto Angolano de Consenso!

46 anos apôs a Independência, Angola está passar por momentos de grande indefinição, instabilidade e grave crise económica e social, que urge ultrapassar, cabendo a cada Angolano, a responsabilidade de dar o seu melhor contributo;

Neste Ano de 2022, o Povo Angolano tem uma grande oportunidade de, através do seu Voto, escolher uma liderança capaz de elevar Angola a uma melhor condição Económica e Social, elevando também os nossos níveis de Felicidade;

Todos desejamos ser felizes e todos sonhamos com o dia em que, em Angola, se possa viver com Dignidade e Prosperidade. Para que este sonho se torne uma realidade, deveremos, no mínimo, contribuir para definirmos, juntos: Partidos Políticos, Sociedade Civil e Agremiações Religiosas, qual o Projecto que queremos para Angola;

Precisamos de um Projecto Angolano de Consenso;

Não podemos, nem devemos chegar ao dia das eleições, sem apresentarmos, claramente, quais são as nossas propostas, para uma Angola Melhor, mais inclusiva e mais solidária; Unida na Diversidade. Teremos também que ver esclarecidas, quais as propostas dos Partidos Políticos que se propõem governar Angola para os anos de 2022 a 2027;

O Povo Angolano, não pode encarar estas próximas eleições como uma simples escolha de bandeiras, como se de uma competição de futebol se tratasse. O que está em jogo é muito mais do que isso, pois a nossa escolha irá determinar o nosso futuro, a nossa qualidade de vida e a nossa felicidade;

Precisamos por isso, de definir muito bem, que modelo de Estado, de Sociedade e de Desenvolvimento Econômico queremos para Angola? Das nossas escolhas dependerá o nosso destino e futuro e o bem estar das próximas gerações.

Uma grande responsabilidade recaí certamente sobre a nossa geração. Todos os Angolanos, independentemente da sua filiação partidária, idade, credo religioso e condição social, tem o direito e o dever de se pronunciarem sobre Um Projecto Comum para Angola;

Chegou a hora de propormos, debatermos e aprovarmos um “Projecto Angolano de Consenso”, esse Projecto Angolano Comum, esse Grande Sonho por Uma Angola Melhor: Uma Angola Próspera e Generosa;

Chegou a hora de concebermos Uma Nova Angola, onde todos seremos poucos para construirmos uma Angola onde é bom viver…Todos: Partidos Políticos, Organizações da Sociedade Civil, Cidadãos, Instituições Religiosas… Todos, do Governo e da oposição… para que juntos e bem concertados, possamos assumir Um Projecto Comum, assinando “O Pacto da Nação”; O Projecto Angolano de Consenso;

Angolanas e Angolanos, é pois imbuídos deste Objectivo Patriótico, que um grupo de cidadãos, cumprindo com os seus deveres cívicos, iniciaram a organização do Congresso da Nação, Por um Projecto Angolano de Consenso, que terá lugar nos dias 27 e 28 de Maio de 2022, no Centro de Congressos da Casa Viana, em Viana, Província de Luanda – Angola;

Participarão neste Congresso da Nação, centenas de representantes dos vários meios e comunidades Angolanas, de todo o País e da Diáspora Espalhada pelo Mundo;

Participarão como Parceiros do Congresso da Nação: Partidos Políticos, Instituições da Sociedade Civil, Associações Empresariais, Ordens Profissionais, Universidades, Instituições Religiosas, Cidadãos, Activistas e Especialistas de reconhecido mérito, Orgãos de Comunicação Social, Autoridades Tradicionais, entre outros;

Esperamos como resultados do Congresso da Nação:

1. Contribuir para a elaboração de um Projecto Nacional de Consenso, que reflita o Interesse da Nação Angolana, por Um Projecto Angolano de Consenso, em prol de uma Angola Moderna, Próspera,
Inclusiva, Solidária e Plenamente Democrática;

2. Contribuir para um melhor esclarecimento, pré-eleitoral, sobre as propostas de cada uma das forças políticas concorrentes à governação para o mandato de 2022 a 2027;

3. Contribuir para a criação de um ambiente de Paz, Concordia e Respeito pré e pôs eleitoral e para um processo eleitoral: transparente, justo, livre e tranquilo e cujos resultados sejam totalmente respeitados;

Angolanas, Angolanos, Estimados Patriotas…

Estão todos convidados, sem excepção, a participar neste Congresso da Nação, por um Projecto Angolano de Consenso;

Angola precisa de todos nós e a Hora é Agora…A Patria está a chamar… Participe…!

Pela Comissão Organizadora

Francisco Viana
Paulo Faria
Eduardo Paím
Marcolino Moco
Paulo Inglês

Mafrano junta personalidades em Luanda

Mafrano junta personalidades em Luanda

Grande encontro na Universidade Católica de Angola, em Luanda, para homenagear Maurício Francisco Caetano (1916-1982) e apresentação pública do primeiro volume da colecção “Os Bantu na Visão de Mafrano — Quase memórias“.

Na apresentação da obra, com a presença de inúmeras figuras proeminentes da sociedade Angolana, D. Zacarias Kamuenho, bispo emérito do Lubango, afirmou que “tal como Agostinho Neto é o poeta maior, Mafrano (Maurício Francisco Caetano) é o antropólogo maior”.

Na fotografia, os integrantes da mesa de honra foi composta pelos distintos embaixador Dr. Ismael Martins, Dr. José Soares Caetano, responsável pela organização e edição do livro, Dom Zacarias Kamuenho, bispo emérito do Lubango, e o editor da obra (Perfil Criativo – Edições).

Este lançamento foi um acontecimento inédito em Luanda que juntou muitas personalidades nacionais.

José Caetano responsável pela edição do livro e filho de Mafrano

1 2 3 4 5