Artigos

Embaixador de São Tomé e Príncipe é informado sobre Volume II da colectânea “Os Bantu na visão de de Mafrano”

Embaixador de São Tomé e Príncipe é informado sobre Volume II da colectânea “Os Bantu na visão de de Mafrano”

Luanda, 26 de Janeiro de 2023 – O Embaixador de São Tomé e Príncipe em Angola, Carlos Gustavo dos Anjos, recebeu na passada quarta-feira, dia 25 de Janeiro, em Luanda, uma delegação da família do escritor e etnólogo angolano Maurico Caetano, que lhe informou sobre a próxima publicação do Volume II da colectânea póstuma «Os Bantu na visão de Mafrano – Quase Memórias».

Depois da publicação do primeiro volume em Maio de 2022, o volume dois desta colectânea sobre Antropologia cultural angolana poderá ser apresentado ao público em Julho de 2023.

Tanto o editor como a família do autor estão de acordo com esta calendarização e os contactos estão muito avançados. A cidade de São Tomé e Príncipe, por seu turno, foi escolhida para o anúncio público desta nova obra, a ser feito durante uma cerimónia agendada para o dia 1 de Fevereiro na Faculdade de Ciências e das Tecnologias.

Se o Volume I traz textos de MAURÍCIO CAETANO com a data de 1957, o próximo Volume II faz o leitor recuar 11 anos, num resgate do que o autor escreveu em 1946 no Jornal «Semanário Angola Norte», editado em Malanje e também no Jornal católico «O Apostolado» de 1959 a 1973.

Naquela época, Mafrano, o pseudónimo literário de Maurício Caetano, já era um vigoroso investigador empenhado na defesa da Cultura Bantu, como mostram os extractos que se seguem:

«…a inegável ressonância com as fábulas de todas as latitudes e tempos, que apresentam os animais não só falando entre si, como ainda com o homem (o Bantu), só mostra que todas as raças humanas têm um fundo psicológico comum», escreveu ele em 1972, citando exemplos da mitologia greco-romana.

E Mafrano dizia mais, em 1972: «O individuo que hoje coma uma tangerina não tem preocupação de lembrar, sendo português, que os seus compatriotas conheceram, essa citrina, pela primeira vez, como oriunda de Tânger (Marrocos) e daí o nome. Este foi, em tempos idos, uma palavra composta: laranja-tangerina. Os franceses, mais tradicionalistas do que nós, dizem ainda hoje “Orange de Tanger”, embora digam também “mandarine”.»
«O leitor que tenha boa memória pode fazer uma lista bonita de expressões, ditados, máximas, aforismos e anexins que nos evocam um passado que passou mesmo», acrescenta igualmente.
«Quem vê ainda hoje um coqueiro no “Bairro dos Coqueiros”, em Luanda, que conserva este nome? Onde é que há cisternas hoje na Maianga? Ora, nós continuamos com os termos coqueiros (que já os ouve) e com “maianga”, uma palavra Kimbundu que significa poço, cisterna, em português», são estas algumas das citações do próximo Volume II da colectânea «Os Bantu na visão de Mafrano – Quase Memórias» cujo anúncio será feito numa cerimónia de homenagem ao cónego José da Costa Frota, o sacerdote de São Tomé e Príncipe que educou o autor, então órfão.
Esta versão é a mais actualizada !

Terminou a primeira fase, digitalização, do Volume II da colectânea «Os Bantu na visão de Mafrano», de Maurício Francisco Caetano. Caso não haja imprevistos, o livro poderá ser lançado em Julho de 2023. Tanto o editor como a família do autor estão de acordo com esta calendarização e os contactos estão bem encaminhados. A cidade de São Tomé e Príncipe, por seu turno, foi escolhida para o anúncio público desta nova obra, a ser feito durante uma cerimónia já agendada para o dia 01 de Fevereiro na Faculdade de Ciências e das Tecnologias.

Se o Volume I trazia textos de MAURÍCIO CAETANO com a data de 1957, o Volume II faz-nos recuar 11 anos para resgatar o que o autor escreveu em 1946 no Jornal “Semanário Angola Norte”, editado em Malanje. Naquela época, Mafrano já era vigoroso na defesa da Cultura Bantu, como mostram os textos que se seguem:
«…a inegável ressonância com as fábulas de todas as latitudes e tempos, que apresentam os animais não só falando entre si, como ainda com o homem (o Bantu), só mostra que todas as raças humanas têm um fundo psicológico comum», escreve ele.

E Mafrano diz-nos mais: «O individuo que hoje coma uma tangerina não tem preocupação de lembrar, sendo português, que os seus compatriotas conheceram, essa citrina, pela primeira vez, como oriunda de Tânger (Marrocos) e daí o nome. Este foi, em tempos idos, uma palavra composta: laranja-tangerina. Os franceses, mais tradicionalistas do que nós, dizem ainda hoje Orange de Tanger, embora digam também mandarine.»

«O leitor que tenha boa memória pode fazer uma lista bonita de expressões, ditados, máximas, aforismos e anexins que nos evocam um passado que passou mesmo.
Quem vê ainda hoje um coqueiro no “Bairro dos Coqueiros”, desta cidade, (Luanda) que conserva este nome? Onde é que há cisternas hoje na Maianga? Ora, nós continuamos com os termos coqueiros (que já os ouve) e com maianga que significa em Kimbundu poço, cisterna».

Esta e outras questões foi o tema de uma audiência que o Embaixador de São Tomé e Príncipe concedeu no passado dia 25 de Janeiro, a dois membros da família de Maurício Caetano, antes da cerimonia que terá lugar na capital daquele pais.

O primeiro volume da colecção “Os bantu na visão de Mafrano” (Ed. 2022) será apresentado na Faculdade de Ciências e das Tecnologias da Universidade de São Tomé e Príncipe, no auditório da Faculdade de Ciências e das Tecnologias, na cidade de São Tomé, a 1 de Fevereiro, quarta-feira, às 15h00.

4 de Fevereiro

4 de Fevereiro

A livraria Ferin, no Chiado, em Lisboa, vai receber o nosso primeiro encontro com autores deste ano novo de 2023, dedicado ao 4 de Fevereiro de 1961, em Angola. Uma conversa sobre a histórica revolta popular de Luanda (Angola) alargada aos acontecimentos mais recentes no Brasil. Uma oportunidade para conversar com os nossos autores e descobrir as mais recentes publicações.

Dois autores convidados:

JONUEL GONÇALVES — Angolano, economista, professor catedrático, começou por escrever panfletos num grupo estudantil clandestino, no início da luta pela independência, em 1961. Depois, acrescentou artigos em jornais e revistas. Em 1991, com a abertura em Angola, publicou o seu primeiro livro, um ensaio-reportagem sobre a guerra. Mas a guerra voltou e ele só voltou a ter paz para escrever o segundo em 2002, publicado em 2007. Depois nunca mais parou, como também não parou de nomadizar entre Angola, Brasil, Portugal, etc. É autor de mais de 10 livros com destaque para “Economia e Poder no Atlântico Sul” (Ed. 2022) e “E agora quem avança somos nós” (Ed. 2022).

CARLOS MARIANO MANUEL — Angolano, médico, investigador em História, professor catedrático em patologia, presidente da Liga Africana. Tão cedo quanto no primeiro lustro da sua vida ficou, inocente, envolvido no epicentro dos tempestuosos acontecimentos integrados no início da guerra, pela Independência Nacional ou anticolonial (em Angola), e do ultramar ou colonial (em Portugal). Medrou até ao início da juventude sujeito ao arbítrio dos chamados, de um lado libertadores e, do outro, civilizadores. Sobreviveu ao convulsivo período em torno e o subsequente à Independência, integrado na ordem social instituída pelas novas autoridades do país. O exercício profissional nos âmbitos assistencial e do magistério superior da medicina levaram-no, sucessivamente, dentre muitos outros destinos, ao Huambo, um dos epicentros do conflito fratricida pós-independência em solo pátrio e a Berlim, também um dos centros na Europa geradores das principais decisões que influenciaram o Mundo no último quartel do século XIX e no século XX. A necessidade de racionalização científica desses acontecimentos levaram-no a frequentar, suplectivamente e na condição de discente livre, os cursos de História Moderna e Contemporânea na Universidade de Humboldt em Berlim, tendo posteriormente realizado a investigação multicêntrica na Europa, América e África de natureza metanalítica, de sítios históricos, arqueológicos, museológicos, bem como a realização de entrevistas com testemunhas do tempo e relevantes para a História de Angola. Contudo, estes esforços, de sequiosa e humilde procura da razão das coisas pretéritas e correntes bem como de melhoria das vindouras. Autor do Tratado de História de Angola , edição especial de prestígio e edição económica.

Livraria Ferin — O nome desta livraria tem origem no apelido de uma família belga que se fixou em Portugal por ocasião das guerras napoleónicas. O primeiro Ferin que se mudou para Lisboa chamava-se Jean Baptiste e era o 6.º avô do nosso colega Vasco Dias Pinheiro. Jean-Baptiste teve 11 filhos, 7 dos quais começaram a trabalhar em profissões ligadas aos livros (Gabinete de Leitura, Encadernação, Tipografia, etc…). Quando Jean Baptiste chegou a Portugal, por volta de 1800, ainda não havia eletricidade nas ruas, nem automóveis e muito menos autocarros. As pessoas deslocavam-se a pé ou de caleches, pequenas carruagens puxadas a cavalos.

As filhas de Jean-Baptiste Ferin abriram um Gabinete de Leitura no Chiado no local onde fica hoje a Livraria Ferin
Duas das suas filhas, Maria Teresa e Gertrudes, abriram no Chiado, em Lisboa, no local onde fica hoje esta bela livraria, um Gabinete de Leitura que funcionava mais como uma biblioteca do que como uma livraria, pois emprestava os livros a quem quisesse lê-los. As pessoas pagavam o aluguer dos livros e era com esse dinheiro que se ia aumentando o número de exemplares do Gabinete. Como eram estrangeiras, Maria Teresa e Gertrudes tinham facilidade na compra de livros estrangeiros e começaram a ser conhecidas no meio cultural lisboeta e até do País.

Maria Teresa, uma das filhas, transformou o Gabinete de Leitura na atual livraria
Como Maria Teresa tinha grande iniciativa, acabou por transformar o Gabinete de Leitura numa livraria, tornando-se, assim, na primeira livreira desta secular família.

A partir dessa altura e até meados do século XX, a livraria dispôs também de uma oficina de encadernação. O rei D. Pedro V mandava encadernar nela todos os seus livros e resolveu mesmo nomeá-la Encadernadora Oficial da Casa Real Portuguesa.

A segunda Livraria mais antiga de Lisboa
Desde 1840, pela Ferin passaram e foram seus clientes grandes personalidades da vida literária do País, como por exemplo Eça de Queiroz.

Muitas outras histórias poderiam ser contadas para atestar o importante papel que esta livraria tem desempenhado ao longo da sua existência.

Ao longo de décadas de trabalho, muitos foram os lançamentos de livros que tiveram lugar na Livraria Ferin.

Morada: Rua Nova do Almada, 72
1249-098 Lisboa . Tel.: 213424422

Outras actividades programadas para a livraria Ferin, no Chiado, em Lisboa

Encontro com Luzia Moniz na livraria Tantos Livros em Lisboa

Encontro com Luzia Moniz na livraria Tantos Livros em Lisboa

Encontro com a autora do livro de crónicas “Silenciocracia, jornabófias e outras mazelas” (Ed. 2022), primeiro volume da colecção Novo Jornal.

Luzia Moniz é angolana, jornalista, socióloga e activista interseccional, acredita na democracia como alavanca para o combate às desigualdades políticas, económicas e sociais.
É co-fundadora da PADEMA, Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana, uma organização da Diáspora Africana em Portugal, centrada na Mulher Africana diaspórica, nos seus valores culturais e identitários com vista à sua afirmação na sociedade tendo em conta a igualdade de género e de oportunidades.
Pan-africanista desde sempre, a autora liderou em Luanda, durante cinco anos, o Desk África da Agência Angola Press (ANGOP) que coordenava todo o noticiário africano do País, antes de ser transferida, em 1989, para Portugal como delegada da mesma agência.
É frontal, “escreve como fala: de olhos bem abertos e acesos, e olhando bem direitinho para o seu interlocutor, e sobretudo sem papas na língua”, como retrata, no prefácio deste livro, o historiador africano do Congo, o seu amigo-irmão Jean-Michel Mabeko-Tali.
”Luzia Moniz fez-se indubitavelmente intelectual da, e na revolução, forjou-se nela, construiu-se politicamente nela, ainda de acordo com Mabeko-Tali ou, como sublinham Dilia Fraguito Samarth e Anil Samarth, no posfácio é “sonhadora, intelectual honesta, implicada na luta histórico-política desde tenra idade, com uma consciência histórica profunda, cujas raízes se alicerçam no eloquente exemplo de Deolinda Rodrigues, e continua a afirmar a sua luta contra qualquer tipo de colonialismo”.
Luzia reside em Portugal, sua terra de adopção e de opção.

Lisboa recebe “MILOMBO MA UFIKE”, de Ngongongo

Lisboa recebe “MILOMBO MA UFIKE”, de Ngongongo

O escritor angolano “Ngongongo” (António Baptista), realizou no passado dia 26 de Novembro, em Lisboa, o lançamento da sua mais recente obra “Milombo Ma Ufike – Correntes da Utopia”. Trata-se de um livro de poemas, escrito em kimbundu e português, com 72 páginas, ao longo das quais o autor expressa, de modo simples e fluído, as ideias com as quais tenta estabelecer a ponte com o leitor.

Na cerimónia, em que esteve presente o Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República de Angola em Portugal, Carlos Alberto Saraiva de Carvalho Fonseca, houve momentos de poesia e de música, a cargo de membros da comunidade angolana, num ambiente de convívio e que foi aproveitado, também, para fortalecer laços de amizade e de solidariedade existentes na diáspora.

Na ocasião, António Baptista foi homenageado com um diploma de mérito pela associação da comunidade angolana residente em Almada, onde reside.

Diploma de mérito pela associação da comunidade angolana residente em Almada

“Ngongongo”, pseudónimo literário de António Baptista, nasceu no bairro do Marçal em Luanda, em 1962. Iniciou a sua actividade de artes no grupo de teatro Horizonte Nzinga Mbandi. Frequentou em 1993 o seminário básico de capacitação científica e artes cénicas e colaborou com a delegação de Cultura no Namibe, onde foi vice-presidente da brigada de trovadores “Manguxi”.

A a presentação da obra esteve a cargo do tradutor de kimbundu, Carvalho Neto. Intervenção especial em kimbundu da escritora e artista, Isabel Ferreira.


https://shop.autores.club/pt/inicio/352-milombo-ma-ufike-correntes-da-utopia.html

Casa da Imprensa apresenta obra de Luzia Moniz

Casa da Imprensa apresenta obra de Luzia Moniz

No passado dia 24 de Novembro de 2022, pelas 17:00H, a CASA DA IMPRENSA apresentou o livro “SILENCIOCRACIA, JORNABÓFIAS E OUTRAS MAZELAS” (ed.2022), de Luzia Moniz. Um conjunto de crónicas publicadas pelo semanário Novo Jornal.

O livro foi revelado por:
Francisca Van Dunem, natural de Luanda, jurista, política portuguesa e ex-ministra da Justiça da República de Portugal;
Manuel dos Santos, natural de Benguela, historiador e sociólogo.

Participação especial no evento:

Dilia Fraguito Samarth

Elsa de Noronha

Informação:

Devido a uma falha técnica da responsabilidade da Perfil Criativo — Edições, os livros acabaram por esgotar durante o lançamento. A editora está neste momento a fazer a reposição do stock disponível de modo a chegar às livrarias em Portugal e a todos os interessados (mais tarde esta informação será actualizada). Uma segunda edição será dividida entre Angola e Moçambique.


Entrevista à RFI – Rádio França Internacional

Luís Quita entrevista Luzia Moniz


Lançamento do livro “Milombo ma Ufike | Correntes da Utopia”

Lançamento do livro “Milombo ma Ufike | Correntes da Utopia”

O autor, NGONGONGO, e o editor da Perfil Criativo – Edições têm o gosto de convidar V. Ex.a para a apresentação do livro:

MILOMBO MA UFIKE | CORRENTES DA UTOPIA” (ed.2022)

A apresentação do livro será realizada por Carvalho Neto.

Sábado, 26 de Novembro de 2022, pelas 16h00, na Rua Leopoldo de Almeida, 6-A, Lumiar, Lisboa

APOIO NA TRADUÇÃO

CONSULADO GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA EM LISBOA

APOIO NA DIVULGAÇÃO

EMBAIXADA DA REPÚBLICA DE ANGOLA EM PORTUGAL




Lançamento do livro “Silenciocracia, jornabófias e outras mazelas”

Lançamento do livro “Silenciocracia, jornabófias e outras mazelas”

A autora, Luzia Moniz, o director do Novo Jornal, Armindo Laureano, e o editor da Perfil Criativo – Edições têm o gosto de convidar V. Ex.a para a apresentação do livro:

SILENCIOCRACIA, JORNABÓFIAS E OUTRAS MAZELAS” (ed.2022)

A apresentação do livro estará a cargo de:
Francisca Van Dunem, natural de Luanda, jurista, política portuguesa e ex-ministra da Justiça da República de Portugal;
Manuel dos Santos, natural de Benguela, historiador e sociólgo.

Quinta-feira, 24 de Novembro de 2022, pelas 17:00H, na CASA DA IMPRENSA.

Rua da Horta Seca, 20, 1200-213 Lisboa (213 420 277)



Carta de Carlos Ferreira a “um Homem livre”

Carta de Carlos Ferreira a “um Homem livre”

Autor: CARLOS FERREIRA

Li o livro (E agora quem avança somos nós – Romance) de um só jorro. Como dá a sensação que ele foi escrito. Sem paragens, sem grandes interrogações, como se tudo já estivesse na tua cabeça quando o começaste. E dado que a tua escrita tem uma carga coloquial muito grande, é difícil parar quando se começa a ler. Algumas das minhas impressões correm o risco de ter alguma dose de subjectividade por te conhecer e por termos uma ligação grande e antiga, mas não me parece. Procurei ser o mais objectivo possível, mesmo que haja passagens que por esta ou aquela razão me tocam mais do ponto de vista emocional.
É comum, para quem como eu defende há muito tempo, provavelmente desde que ganhei alguma consciência, que as vivências do Autor, o seu caminho, as suas escolhas, o seu perfil humano e o seu posicionamento político são inseparáveis do que escreve. Nunca vi a literatura como algo inocente, mesmo quando aparecem algumas e alguns autores que se auto-definem como “apolíticos”. Uma aberração de uma direita descomposta, pouco democrática e normalmente reaccionária e conservadora. Lembrei-me agora, por exemplo do João Gaspar Simões, que a elite intelectual portuguesa ligada à direita, considerava como um grande crítico literário… E que ecoava normalmente o vazio que o “sal e azar” tanto apreciava. Mas continuemos.
Os teus romances, porque não podiam ser outra coisa. Demonstram claramente uma continuidade do que foste sendo ao longo da vida, enquanto militante da causa maior da libertação humana, de combatente contra muros e ameias, contra totalitarismos de qualquer espécie, sem cedências e sem contemplações. Lembrando a Mafalda do Quino, podíamos dizer não “Hay gobierno soy contra” mas “Há repressão, sou contra”. Seja a repressão efectiva, directa, de poderes legal ou ilegalmente constituídos sobre cidadãs e cidadãos, sejam os mecanismos psicológicos que com séculos de dominação, propaganda, por via do ensino, da comunicação social, de instituições pseudo-religiosas que são criminosas, e mais recentemente das televisões, das redes sociais e dos “influenciadores”. Que se inculcam na mente das pessoas, ferindo-as, magoando-as, envenenando-as, ao ponto de se submeterem à escravidão mais execrável. A de abandonarem o pensamento livre, autónomo e resultado das nossas escolhas conscientes de seres humanos maduros e pensantes.
Também este romance não foge a essa regra. E é um espelho fiel e sequente do que vens vivendo. Há uma lógica que acompanha a tua ficção que, como é natural, é o fruto das tuas experiências, vivências, vitórias, derrotas – a maior parte das vezes porque a esmagadora maioria dos factos que nos rodeiam e dos humanos que pululam à nossa volta asfixiam-nos a vida inteira e não deixam sequer, de muitas formas, que possamos atingir os outros mais rápida e imediatamente. Que seja.
O manancial de vidas vividas, de amizades conquistadas, de pontes construídas nos mais distantes pontos geográficos do mundo, solidariedades e cumplicidades criadas são-no em suficiente número e consistência para que haja a plena consciência que estás do lado da razão. E que assim sendo, o aumento substancial e agora de peito aberto de barões e marqueses nascidos da lumpenagem, fascistas e pseudo-fascistas, “libertadores” que apenas queriam copiar opressores, nada nem ninguém te fará mudar de opinião e de posição enquanto escreveres, enquanto deres aulas, enquanto estudares, enquanto reflectires, enquanto debateres.
É um romance do mundo porque tu és um Homem do Mundo. Não dos que se fecham à volta do umbigo, olhando-se para o espelho e pervertendo a verdade, matando a esperança, tolhendo a alegria de viver. Condensas neste novo título um sem número de acontecimentos, lugares, gente livre e soberana que obrigará o leitor ou a leitora a procurar, a buscar, a conhecer, a indagar. E a procurar-se, a buscar-se, a conhecer-se, a indagar-se.
Sem as “identidades” filhas da puta que são organizadas e estimuladas para nos dividirem, para nos separarem, para abrirem um fosso nos que, perante uma luta comum, se dividem com os cantos das sereias que os convidam a pensar em primeiro lugar na sua condição individual e de grupo, de classe, de género, de raça e tudo mais quanto vão inventando, enfraquecendo e fazendo esquecer o combate essencial e cada vez mais urgente que devia congregar tudo e todos.
Na discussão que há séculos se levanta sobre o papel do escritor, do autor, do criador, que bem maior pode haver do que este: abrir caminhos, obrigar a que os olhos se regalem com cada “curva” que fazes nas escolhas que vais oferecendo, na criatividade encontrada pelos kilómetros sem fim que percorreste, pelas realidades porque passaste, pelas solidariedades criadas, pelos sofrimentos que te marcam o lombo, em busca afinal de uma das maiores e mais sólidas buscas na Vida: ser um Homem livre. A única condição possível para solidariamente mostrar o caminho da liberdade plena e total aos outros.


* Carlos Ferreira nasceu em Luanda. Jornalista, foi director de Programas da Rádio Nacional de Angola, do semanário Novo Jornal e fez acessoria de imprensa ao Presidente da Republica de Angola até 1995. Premiado várias vezes, como letrista de canções, é poeta com mais de uma dezena de títulos publicados, novelista e cronista. É membro da União dos Escritores Angolanos, da União dos Jornalistas Angolanos, da Associação Tchiweka de Documentação e da Ordem Nacional dos Escritores do Brasil.

Carlos Ferreira (Cassé) — Fotografia Jornal de Angola

** Este artigo foi publicado na Conversa à Sombra da Mulemba

Histórica homenagem ao rei Muana Malaza

Histórica homenagem ao rei Muana Malaza

Na manhã de 29 de Outubro de 2021, ainda marcada pela pandemia do Covid-19, realizou-se uma histórica homenagem ao rei Muana Malaza ou Nevita Nkanga ou D. António I, no mosteiro de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos) em Lisboa, onde estiveram presentes importantes figuras da Cultura de Angola. A missa foi conduzida pelo cónego, doutor José Manuel dos Santos Ferreira, que surpreendeu os devotos com a memória dos trágicos acontecimentos de 29 de Outubro de 1665.


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12