Sessão de autógrafos na Feira do Livro de Lisboa

Sessão de autógrafos na Feira do Livro de Lisboa

O expositor D47 é o nosso ponto de encontro para autógrafos das obras mais recentes:

Tomás Lima Coelho – 8/06/2024 das 14h00 às 15h00 — Autores e Escritores de Angola 1642-2022

Luís Gaivão – 12/06/2024 das 17h00 às 19h00 — Angola e o Atlântico | Colonialismo, Colonialidade e Epistemologia Descolonial

Sedrick de Carvalho e Tomás Lima Coelho – 15/06/2024 entre as 17h00 e as 19h00 — Autores e Escritores de Angola 1642-2022

Stand D47 onde pode encontrar as edições mais recentes da Perfil Criativo e da Elivulu

Satyohamba ilustre visita do reino dos Cuanhamas

Satyohamba ilustre visita do reino dos Cuanhamas

Foi um encontro de elevada magnitude, no “bunker cultural” da editora Perfil Criativo, com o ilustríssimo economista, surpreendente autor e príncipe do Reino dos Cuanhamas, Arsénio Satyohamba.

Neste encontro, na antiga capital do império, o editor João Ricardo Rodrigues aproveitou para oferecer dois volumes com a pré-história do grande grupo étnico e linguístico Bantu, “Os Bantu na Visão de Mafrano — Quase memórias“, de Maurício Francisco Caetano, com a indicação de que estas obras vão ser apresentadas em Lisboa e no Porto durante o próximo mês de Julho e são representativas da diversidade cultural de Angola.

O Reino dos Cuanhamas

O Reino dos Cuanhamas, também conhecido como Reino Kwanyama ou Reino Oukwanyama, foi uma entidade política e cultural localizada no sudoeste da África, ocupando principalmente o norte da Namíbia e o sul de Angola. Este reino é parte integrante da história do povo Ovambo, um dos maiores grupos étnicos da região.

História e Fundação

O Reino dos Cuanhamas foi estabelecido por volta do século XVII. Sua fundação é atribuída a líderes do clã Kwanyama, que conseguiram consolidar poder e influência sobre várias comunidades Ovambo. Os Ovambo são conhecidos pela sua organização social complexa, baseada em aldeias lideradas por chefes (homens e mulheres) e uma estrutura de clãs com sistemas de parentesco matrilineares.

Organização Política e Social

O reino era governado por um rei, chamado “Oshamukwila,” que exercia autoridade central sobre os chefes locais. A sucessão do trono era geralmente hereditária, mas a escolha do sucessor envolvia a aprovação dos anciãos e líderes.

A sociedade dos Cuanhamas era fortemente hierarquizada e centrada na agricultura e pecuária. As principais culturas agrícolas incluíam milho, sorgo e feijão, enquanto o gado desempenhava um papel crucial tanto na economia quanto nas práticas culturais e religiosas.

Cultura e Tradições

A cultura dos Cuanhamas é rica em tradições orais, músicas, danças e cerimónias. As histórias e mitos eram passados de geração em geração, preservando a memória coletiva e ensinamentos morais. A religião tradicional dos Cuanhamas envolvia a veneração de ancestrais e espíritos, com rituais e festivais importantes para a comunidade.

Conflitos e Colonização

Durante o final do século XIX e início do século XX, o Reino dos Cuanhamas enfrentou desafios significativos devido à colonização europeia. A Alemanha, que colonizou a Namíbia (então chamada Sudoeste Africano Alemão), e Portugal, que controlava Angola, tiveram um impacto profundo na região. Conflitos com colonizadores e guerras intertribais enfraqueceram o reino o que resultou na destruição da capital real, Omhedi, e na dispersão da população.

Legado

Apesar do colapso do reino, a identidade e cultura Cuanhama continuam a ser uma parte vital da vida dos Ovambo na Namíbia e Angola. O legado do Reino dos Cuanhamas é mantido vivo através das práticas culturais, língua, e tradições que ainda perduram.

O impacto histórico do reino é reconhecido na região, e muitos descendentes dos antigos reis Cuanhamas ainda desempenham papéis importantes na sociedade contemporânea. A história dos Cuanhamas é um testemunho da resiliência e riqueza cultural do povo Ovambo.

O Reino dos Cuanhamas foi um exemplo notável de organização social e política na África pré-colonial. A sua história oferece percepções valiosas sobre a vida, cultura e resistência das comunidades africanas diante das pressões coloniais. O estudo e preservação dessa história são fundamentais para a compreensão da diversidade e complexidade do passado africano.

Os livros de Satyohamba (Ondjiva) publicados na República de Angola

(2021)

(2018)

Ndalatando: Uma biblioteca com dez mil livros

Ndalatando: Uma biblioteca com dez mil livros

Ndalatando – Uma nova biblioteca com dez mil livros e capacidade para mil utentes será construída este ano na província do Cuanza-Norte, anunciou o governador João Diogo Gaspar na terça-feira.

O anúncio ocorreu na reabertura da biblioteca provincial atual, que foi restaurada e equipada graças a um grupo de académicos naturais e amigos do Cuanza-Norte. A nova infraestrutura substituirá a biblioteca construída no período colonial, inadequada para as necessidades atuais. João Gaspar destacou que a nova biblioteca atenderá à densidade populacional e à expansão do ensino superior na província.

A reinauguração da biblioteca provincial é vista como um impulso ao ensino e à aprendizagem, facilitando a elaboração de monografias, teses e obras científicas. O governador agradeceu aos colaboradores pela iniciativa e pediu apoio da população na preservação das infraestruturas públicas e privadas.

Manuel Bengui Maqueledende, representando os benfeitores, afirmou que a iniciativa visa ajudar a classe estudantil e incentivar o hábito da leitura. O grupo doou quatro computadores, 486 livros, incluindo a monumental História de Angola de Carlos Mariano Manuel, além de internet e outros recursos. Eles expressaram a intenção de continuar colaborando com o governo para o desenvolvimento da província.

A biblioteca atual tem cerca de duas mil obras e capacidade para 30 leitores. A província do Cuanza-Norte possui dez municípios.

Fonte: ANGOP

O desafio da continuidade e a sua necessidade

O desafio da continuidade e a sua necessidade

POR SEDRICK DE CARVALHO

Desde 2017 que publico nas redes sociais sugestões de leitura de obras angolanas, primeiro no perfil pessoal do Facebook e, actualmente, por intermédio das redes sociais da editora Elivulu, que coordeno. A recomendação é acompanhada com referência ao ano de publicação do livro e, logicamente, o nome da autora ou autor. Este exercício permitiu-me perceber a importância da biobibliografia de quem publica uma obra.
Tomás Lima Coelho, amigo da editora desde a primeira hora, atento ao trabalho desenvolvido e, em especial, às sugestões de leitura, ofereceu-nos a segunda edição do seu livro Autores e Escritores de Angola – 1642-2018, e assim passamos a ter as nossas sugestões de leitura mais completas: título da obra, ano de publicação, autoria e o seu local e ano de nascimento.
Esta obra é um trabalho monumental organizado ao longo de mais de dez anos, com imenso sacrifício e consequências a nível pessoal, como a falta de tempo para dedicar-se a outros projectos literários e até à família. O próprio admitiu-o. E acrescenta que, como precisa de dedicar-se a outras coisas e escritos, era urgente encontrar um sucessor para o fantástico trabalho, mas hercúleo, que é esta obra.
Pensei imenso antes de aceitar esta responsabilidade, mas adianto o que fez-me aceitá-la. No momento que precisamos de sair de cena, surge-nos a questão sobre quem dará continuidade ao nosso trabalho. John Maxwell fala sobre o legado no livro As 21 irrefutáveis leis da liderança, apontando que o legado ocorre quando líderes estão em condições de se afastarem sem receio de colocar em risco os projectos, isto porque conseguiram garantir a existência de outros líderes em posição de dar continuidade ao que dedicamos a nossa vida para construir. É com esta preocupação que fui abordado por Tomás Lima Coelho, e foi com este dilema com que me debati: honrar o legado. Aceitei o desafio, e fi-lo pela necessidade de que o seu magnífico trabalho tenha continuidade, para que não fique desactualizado e ultrapassado passado o tempo. Entretanto, ao mesmo tempo, temia pela tamanha responsabilidade que assumia. A fase de transmissão de projectos/trabalhos para outrem é crucial, pois pode ocorrer a sua extinção. Sem experiência de trabalho similar, esta missão revelou-se extremamente delicada e difícil.
O processo de recolha e registo exige imensa disponibilidade, além do que julgava à partida. O contacto directo com editoras, escritoras e escritores, livrarias e alfarrabistas a pedir informações sobre determinados livros e suas biografias traduziu-se numa colossal aventura. Não deixei de pensar em desistir diante de tantas dificuldades em obter os dados exactos e, às vezes, até mesmo perante incompreensões quando solicitava pelos mesmos. Mas a importância deste trabalho é superior aos constrangimentos e dificuldades que acarreta. Felizmente, Tomás Lima Coelho continua disponível, pelo que me acompanhou ao longo desta primeira etapa da entrega do bastão, qual estafeta que corre lado a lado na pista com o colega para garantir que agarra firme o objecto e marca com firmeza os primeiros passos do sprint.
Desta corrida resultou num total de 515 novos autores e escritores registados. É este o resultado destes três anos que se incrementam ao trabalho, reunindo agora os autores e escritores angolanos de 1642 a 2022.

Esta nova edição do livro AUTORES E ESCRITORES DE ANGOLA 1642-2022 vai estar disponível da Feira do Livro de Lisboa, no stand da Promobooks

A dolorosa fundação da República é o tema do quarto volume da História de Angola

A dolorosa fundação da República é o tema do quarto volume da História de Angola

É com muito regozijo que anunciamos que entrou em fase de produção e planeamento a edição do quarto volume da monumental edição da História de Angola, do Prof. Doutor Carlos Mariano Manuel.

Segundo o autor esta nova publicação, que irá ser apresentada em Angola e Portugal durante o próximo ano, trará importantes revelações sobre os primeiros anos da dramática construção da República de Angola.

Todos os nossos leitores e amigos que estiverem interessados em estar informados sobre as actividades que estamos a preparar, podem fazer, sem qualquer compromisso, a sua inscrição pelo email: info@autores.club

Primeira edição dos três volumes publicados

“Memórias da História e Comunicação Intercultural”

Foi apresentado em Luanda, no Instituto Superior Politécnico Tocoísta, a conferência “Memórias da História e Comunicação Intercultural”, pela Prof. Doutora Rosa Cabecinhas, antiga directora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho.

O auditório de 250 lugares esteve completamente preenchido com docentes, discentes e outros convidados cultores das ciências sociais.

Em Novembro de 2021 foi realizado um acto similar no Campus Gualter da Universidade do Minho, na cidade de Braga, tendo o Prof. Doutor Carlos Mariano Manuel apresentado uma conferência sobre História de África, em pormenor sobre a famosa Conferência de Berlim para África.

(mais…)

“Pai Celestial” acolhe Domingos Inguila João

“Pai Celestial” acolhe Domingos Inguila João

Domingos Inguila João nasceu a 6 de Outubro de 1945, no Ambrizete (actual N’Zeto), em Angola. Jogou futebol na posição de defesa central. No Sambizanga, representou o Sporting Clube da Musserra e os ASES Futebol Clube, do qual foi co-fundador. Nas provas oficiais, representou o Atlético Sport Aviação – ASA sagrando-se tetra campeão provincial de futebol de Angola. Em 1969 foi contratado pelo Sport Lisboa e Benfica onde permaneceu dois anos até ser transferido para o Beira Mar de Aveiro

É com tristeza que informamos que o antigo craque do futebol angolano, Domingos Inguila João, faleceu hoje, 17 de Maio de 2024, na Clínica Girassol, em Luanda.

Em 2023 tivemos a honra de publicar as memórias de Domingos Inguila João, com o apoio da família e do nosso autor memorialista do Sambizanga, Francisco Van-Dúnem.

Nas vésperas do 50º aniversário da fundação da República de Angola apresentamos uma das memórias de Domingos Inguila João.

“A Caravana Havemos de Voltar”

POR DOMINGOS INGUILA JOÃO

Quando ocorreu o golpe de estado contra o regime fascista e colonialista português, estava eu em Aveiro a cumprir a época desportiva de 1974/75 – a quarta época –, em representação do Beira-Mar. Não terminei a época seguinte porque movido pelo sentimento patriótico e sentido de missão, respondi ao apelo feito pelo saudoso Presidente Agostinho Neto, e no dia 15 de Agosto de 1976, regressei ao país que me viu nascer. 

Em Portugal, foi criada a “Caravana Havemos de Voltar” coordenada na altura pelo então Professor Rui Mingas, que soube mobilizar muitos angolanos para a causa da reconstrução do país.  

Regressei com a família (esposa, duas filhas e uma irmã) e outros compatriotas que também responderam ao apelo, casos do meu estimado compadre e amigo Eduardo Laurindo, do engenheiro Caetano, da Tilú, do Filomeno Vieira Lopes e da Milucha. Mais tarde regressaram o Joaquim Dinis e o João Machado. 

Já no país, no mês de Setembro de 1976, apresentei-me à Direcção Geral da Juventude e Desportos, cujo director era, na altura, o Pedro Augusto, e que de imediato me nomeou como responsável pelo Departamento de Futebol com a categoria de Técnico Desportivo. Com o regresso ao país de muitos angolanos que estavam na diáspora, conseguiu-se, com o esforço de todos, dar uma outra dinâmica à Educação Fisíca e ao Desporto. Hermenegildo Vieira Dias de Sousa viria a substituir Pedro Augusto no mesmo cargo. Depois de criada a Secretaria de Estado de Educação Física e Desporto (SEEFD), o mesmo foi nomeado para dirigirir a referida instituição. Foi sobre o seu mandato que Angola conquistou pela primeira vez a sua primeira medalha de ouro nos jogos africanos, disputados na Argélia, na modalidade de judo. A partir do ano de 1978, quando Rui Mingas, que até então desempenhava funções no Ministério da Educação, na área do desporto escolar, substitui Hermenegildo de Sousa como Secretário de Estado da Educação Física e Desporto, o desporto nacional conheceu um grande impulso. Foi o período em que começaram a surgir as primeiras federações nacionais e em que o nosso país começou a filiar-se nos vários organismos desportivos mundiais. A pasta governamental do Conselho Superior de Educação Física e Desporto voltou a sofrer mudanças na sua estrutura com a criação do Ministério da Juventude e Desportos, por onde passaram Marcolino Moco como primeiro Ministro do pelouro, Osvaldo Serra Van-Dúnem, Justino Fernandes, Sardinha de Castro, Marcos Barrica, Gonçalves Muandumba, e Albino da Conceição. A mesma pasta foi depois entregue à ex-Ministra Ana Paula do Sacramento Neto, que foi recentemente substituída pela Ministra Palmira Barbosa. 

Livro de memórias publicado em 2023 e apresentado em Lisboa e em Luanda

Grande encontro no Luena

Grande encontro no Luena

22 de Abril de 2024 — Alunos do Seminário Maior de Filosifia São José, da Diocese do Luena, Moxico, conversando amenamente sobre a dimensão histórica e antropológica da colectânea “Os Bantu na Visão de Mafrano – Quase Memórias” do escritor e etnólogo Maurício Francisco Caetano.

A obra de Mafrano tem sido uma fonte de leitura, reflexão e inspiração para os jovens ávidos de novos conhecimentos.

Colectanea de Mafrano suscitou reflexão na Casa da Cultura do Luena

O volume II da colectânea «Os Bantu na visão de Mafrano» do escritor e etnólogo Maurício Francisco Caetano foi destaque na Casa da Cultura do Luena, província do Moxico, dois dias depois da sua apresentação no Seminário Maior desta cidade.

Além de enriquecer a agenda cultural desta província, que na mesma semana recebeu a visita de Paulina Chiziane, Prémio Camões da Literatura 2021, a cerimónia serviu igualmente de reflexão sobre o Dia Mundial do Livro e dos Direitos do Autor, celebrado um dia antes em todo o mundo.

Perante uma audiência com pouco mais de trinta (30) pessoas, a cerimónia consistiu na projecção de slides sobre a vida e obra de Mafrano, e num resumo do aturado trabalho de compilação e divulgação que tem sido feito pela família deste autor. Os presentes, entre os quais se encontravam responsáveis do Governo Provincial do Moxico, funcionários da administração, professores, académicos, estudantes e amantes da cultura, aproveitaram a oportunidade para partilhar práticas culturais do povo cokwé (tchokwe), na mesma linha das narrativas do autor desta colectânea sobre a Antropologia Cultural Bantu.

Volume I

«Maurício Francisco Caetano – enfatizou na ocasião o seu filho, José Caetano – não passava de um homem humilde, respeitoso, amante do saber e da partilha de conhecimentos, que desde os anos 40’s se dedicou profundamente à pesquisa da cultura indígena, os mais desprezados do antigamente, povos Bantu, comparando-os em pé de igualdade a outros povos do mundo, na Europa, na Ásia e na América».

«Por outras palavras, “Mafrano” despertou consciências para a valorização da cultura angolana durante o período colonial, quando começou a escrever para o Jornal «Angola Norte», em Malanje, no ano de 1947, que é a referência dos seus textos mais antigos publicados posteriormente na Revista Angola, da Liga Nacional Africana e no Jornal O Apostolado, a partir de 1953», acrescentou ainda.

O encontro terminou com um aceso debate e troca de opiniões, sobre temas de interesse actual, tais como o direito costumeiro bantu, os rituais de casamento, a prática da circuncisão masculina, a literatura oral e os desafios que se nos colocam na promoção da leitura e do conhecimento, bem como na formação profissional das camadas jovens.

Volume II

Com um total de 256 páginas e 09 capítulos, o volume II da colectânea «Os Bantu na visão de Mafrano» tem como foco os mitos, lendas, a religião, princípios filosóficos e a explicação de alguns fenómenos que caracterizam a pré-história da civilização bantu.

Luena acolhe obra de Maurício Francisco Caetano

Luena acolhe obra de Maurício Francisco Caetano

O Gabinete Provincial da Cultura do Moxico, a família de Maurício Francisco Caetano e o editor convidam V/Ex.ª para a apresentação do segundo volume da colectânea “Os Bantu na Visão de Mafrano” (Ed. 2023), de Maurício Francisco Caetano (obra póstuma), no dia 24 de Abril de 2024 na Casa da Cultura, Luena, às 9h00.

Este evento tem o apoio do Governo Provincial do Moxico.

Volume I

O livro “Os bantu na visão de Mafrano – Volume II” apresenta uma série de capítulos que abordam diversos temas relacionados à antropologia cultural dos bantu. O livro começa com uma introdução sobre o padre Carlos Estermann e sua relação com a antropologia cultural de Mafrano. Em seguida, são exploradas a história do “Xiriva-Zuba” e os problemas da biogênese, com uma interpretação aborígene bantu. Os capítulos subsequentes tratam de tópicos como o telégrafo bantu, os topônimos angolenses e a ética bantu, a arbitragem filosófica sobre a origem do homem, a filosofia bantu sobre a morte, os idiomas bantu, a influência de uma superstição biológica no direito sucessório bantu, lendas e mitos bantu, a gênese temporal das raças humanas e a história de Mafrano através do testemunho de Dom Zacarias Kamuenho. O livro também inclui um álbum fotográfico e homenagens a figuras importantes relacionadas com Mafrano.

Homenagem a Manuel Fonseca da Victória Pereira

Homenagem a Manuel Fonseca da Victória Pereira

12/4/2024 — Livraria Kiela, em Luanda, acolhe emotiva homenagem a Manuel Fonseca da Victória Pereira e apresenta a obra poética “Versos Sacanas” (Ed. 2024), de Frei Maneco.

Na mesa de honra estiveram os antigos colegas de Manuel Fonseca da Victória Pereira na Escola Primária nº 55, Victor Torres, Mário Ferrão e Mário Vaz, responsáveis pela edição deste irreverente livro.

Agradecemos à equipa da livraria Kiela e à Cristina Pinto Lara o generoso apoio recebido, fundamental para o sucesso deste encontro tão especial.

Quintal da Kiela

Ngongongo no “Mar de Letras”

Ngongongo no “Mar de Letras”

O teatro levou-o aos versos cantarolados e só depois veio a poesia. O primeiro livro chegou 30 anos após os primeiros escritos. Depois das páginas de jornal e das antologias, “Correntes da Utopia” é a obra sonhada por Ngongongo, um pseudónimo literário de homenagem à avó materna.

Ngongongo é o pseudónimo literário de António Baptista. Nasceu no Marçal, em Luanda. Entrou nas artes no grupo de teatro Horizonte Nzinga Mbandi e no Oásis d’Angothel, na província do Namibe. É o convidado desta semana no programa “Mar de Letras na RTP África.


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17