Archives em Julho 2024

Entrega de obras literárias de Angola na Biblioteca Palácio Galveias em Lisboa

Entrega de obras literárias de Angola na Biblioteca Palácio Galveias em Lisboa

Contagem decrescente para a apresentação da obra de Maurício Francisco Caetano “Os Bantu na Visão de Mafrano — Quase Memórias” volume I e volume II em Lisboa, na Biblioteca Palácio Galveias a 18 de Julho, e na Casa Comum da Universidade do Porto a 9 de Agosto.

12/07/2024 — Na fotografia entrega de exemplares “raros” da cultura de Angola, publicados pela editora Perfil Criativo, à equipa da Biblioteca Palácio Galveias em agradecimento pelos eventos de divulgação da cultura de Angola que vamos realizar durante este Verão de 2024 na Biblioteca Palácio Galveias.

Também no dia 18 de Julho será apresentado, às 18h00, o livro de referência “Autores e Escritores de Angola 1642-2022

“Os Bantu na Visão de Mafrano — Quase Memórias” na Rádio Vaticano

PODCAST — África em Clave Cultural: personagens e eventos 11.07.2024

https://www.vaticannews.va/pt/podcast/africa-em-clave-cultural-personagens-e-eventos/2024/07/africa-em-clave-cultural-personagens-e-eventos-11-07-2024.html?fbclid=IwZXh0bgNhZW0CMTAAAR3kEv2AYOL4CjS-F5a_aRKcgzO14nuvSYzGcJO13gYnQPAAC28a6zxyDZk_aem_IcpS2T6SIGWmIl9v7sLs5A

Apple Books: está disponível eBook do livro “Kinthwêni na tradição e na poética”

Apple Books: está disponível eBook do livro “Kinthwêni na tradição e na poética”

O livro “Kinthwêni na tradição e na poética” (Ed. 2023), de João Ramos Piúla Casimiro (Angola) passa a estar disponível na tradicional edição em papel e também no formato EPUB (disponível para ler imediatamente).

A filosofia de Cabinda (Angola) alicerçada sobre predicamentos, provérbios, contos, lendas e mitos é aberta, histórica, poética, mas em “condições pré-literárias”. existe, de facto, um conjunto de informações ainda não transformadas em conhecimento. apesar disto, há estudos académicos que vão tornar esta filosofia mais cognoscível, e, com maioria da razão, ser estudada a partir de postulados, adágios, cânticos e danças. Com estas categorias de informação, consegue-se engendrar estruturas de pensamento de cunho filosófico. 

Neste prisma, a filosofia é, também, representada através de simbologias, porque o símbolo é passível de reproduzir algo e traduz o conhecimento dos bakúlu. Com efeito, um símbolo afigura qualquer conhecimento. o ramo de palmeira «cortado», por exemplo, pode significar festa ou óbito. 

Este trabalho vem, propor, um estudo filosófico da dança-música e poesia, kinthwêni, na vertente da kintuenigenia, objecto deste estudo. Partimos, neste sentido, das seguintes danças tradicionais: Kinthwêne, Matáfula e Maieia, construídas a partir da tradição e poética da cultura Binda3. Destes géneros literários tradicionais, resulta uma grande força vital que promana dos reinos de: Makongo, Mangoio e Maloango. 

APPLE BOOKS https://books.apple.com/pt/book/kinthw%C3%AAni-na-tradi%C3%A7%C3%A3o-e-na-po%C3%A9tica/id6529546569

Cultura mais profunda de Angola revelada em Lisboa

Cultura mais profunda de Angola revelada em Lisboa

PRESS RELEASE: A colectânea «Os Bantu na visão de Mafrano – Quase Memórias», antropologia cultural, do escritor e etnólogo angolano Maurício Francisco Caetano, “Mafrano” (1916-1982), será apresentada ao fim da tarde do dia 18 de Julho de 2024, quinta-feira, na Biblioteca Palácio Galveias, em Lisboa, às 19H00. A apresentação dos dois primeiros volumes da obra está a ser rodeada de bastante expectativa pelo seu conteúdo e, sobretudo, pela sua ancestralidade.

A iniciativa tem como organizadores a editora Perfil Criativo | AUTORES.club e a família do autor já falecido.

Para a apresentação desta obra está a ser convidado Dom ZACARIAS KAMWENHO, arcebispo emérito do Lubango e Prémio Sakharov 2001, e autor do prefácio.  

A colectânea póstuma «Os Bantu na visão de Mafrano» é uma obra póstuma, em três volumes e mais de 700 páginas sobre a ancestralidade, hábitos e costumes de uma faixa muito numerosa dos povos africanos. Inclui epígrafes como «Crónicas ligeiras», «Notas a lápis», «Episódios vividos», «Tertúlias» e outros textos e contos dispersos, compilados a partir de estudos e reflexões que o autor publicou em jornais e revistas de Angola, entre 1947 e 1982.

Em Africa, os povos Bantu espalham-se por 24 países e aproximadamente 200 grupos étnicos, incluindo a África do Sul, Angola, Botswana, Burundi, Camarões, nos Congos (Democrático e Brazzaville), Gabão, Lesotho, Moçambique, Quénia, Ruanda, Tanzânia, Zâmbia, Zimbabwe.

A colectânea inclui temas como o uso do telégrafo, (o ngolokele), entre os povos bantu, desde tempos remotos; a escrita ancestral; a formação profissional; os matrimónios; a tradição política; os topónimos bantu e a sua lenda; a filosofia bantu sobre a morte e a origem do homem; relatos de Cabinda; hábitos e crendices alimentares, e outros temas sobre a antropologia, a arqueologia e o direito costumeiro.  

(mais…)

“Kinthwêni na tradição e na poética” chega a Cabinda e homenageia padre Jorge Casimiro Congo

“Kinthwêni na tradição e na poética” chega a Cabinda e homenageia padre Jorge Casimiro Congo

Quase um ano após a sua edição (Agosto de 2023) o livro “Kinthwêni na tradição e na poética — Um enquadramento filosófico“, de João Ramos Piúla Casimiro, foi apresentado em Cabinda (Angola), a 29 de Junho de 2024, numa homenagem especial ao padre Jorge Casimiro Congo, falecido a 6 de Abril de 2023.

Simão Lelo da DW relatou que a sessão de lançamento e venda decorreu numa das salas do Instituto Lusíada de Cabinda, e na ocasião o autor fez uma incursão na vida do falecido padre, sublinhando que o livro visa imortaliza-lo. Raul Tati, docente universitário, esteve presente na atividade e disse que o “Padre Congo deve ser lembrado todos dias”. “Essa homenagem deve despertar as consciências da nova geração para quem foi Congo”, acrescentou.

“Kinthwêni na tradição e na poética”

A filosofia de Cabinda alicerçada sobre predicamentos, provérbios, contos, lendas e mitos é aberta, histórica, poética, mas em “condições pré-literárias”. existe, de facto, um conjunto de informações ainda não transformadas em conhecimento. apesar disto, há estudos académicos que vão tornar esta filosofia mais cognoscível, e, com maioria da razão, ser estudada a partir de postulados, adágios, cânticos e danças. Com estas categorias de informação, consegue-se engendrar estruturas de pensamento de cunho filosófico. 

Neste prisma, a filosofia é, também, representada através de simbologias, porque o símbolo é passível de reproduzir algo e traduz o conhecimento dos bakúlu. Com efeito, um símbolo afigura qualquer conhecimento. o ramo de palmeira «cortado», por exemplo, pode significar festa ou óbito. 

Este trabalho vem, propor, um estudo filosófico da dança-música e poesia, kinthwêni, na vertente da kintuenigenia, objecto deste estudo. Partimos, neste sentido, das seguintes danças tradicionais: Kinthwêne, Matáfula e Maieia, construídas a partir da tradição e poética da cultura Binda. Destes géneros literários tradicionais, resulta uma grande força vital que promana dos reinos de: Makongo, Mangoio e Maloango. 

Esta edição vai também estar disponível em versão EPUB nas principais lojas internacionais, uma oportunidade para a cultura de Cabinda ser conhecida.