Categoria em Tazuary Nkeita

Cultura mais profunda de Angola revelada em Lisboa

Cultura mais profunda de Angola revelada em Lisboa

PRESS RELEASE: A colectânea «Os Bantu na visão de Mafrano – Quase Memórias», antropologia cultural, do escritor e etnólogo angolano Maurício Francisco Caetano, “Mafrano” (1916-1982), será apresentada ao fim da tarde do dia 18 de Julho de 2024, quinta-feira, na Biblioteca Palácio Galveias, em Lisboa, às 19H00. A apresentação dos dois primeiros volumes da obra está a ser rodeada de bastante expectativa pelo seu conteúdo e, sobretudo, pela sua ancestralidade.

A iniciativa tem como organizadores a editora Perfil Criativo | AUTORES.club e a família do autor já falecido.

Para a apresentação desta obra está a ser convidado Dom ZACARIAS KAMWENHO, arcebispo emérito do Lubango e Prémio Sakharov 2001, e autor do prefácio.  

A colectânea póstuma «Os Bantu na visão de Mafrano» é uma obra póstuma, em três volumes e mais de 700 páginas sobre a ancestralidade, hábitos e costumes de uma faixa muito numerosa dos povos africanos. Inclui epígrafes como «Crónicas ligeiras», «Notas a lápis», «Episódios vividos», «Tertúlias» e outros textos e contos dispersos, compilados a partir de estudos e reflexões que o autor publicou em jornais e revistas de Angola, entre 1947 e 1982.

Em Africa, os povos Bantu espalham-se por 24 países e aproximadamente 200 grupos étnicos, incluindo a África do Sul, Angola, Botswana, Burundi, Camarões, nos Congos (Democrático e Brazzaville), Gabão, Lesotho, Moçambique, Quénia, Ruanda, Tanzânia, Zâmbia, Zimbabwe.

A colectânea inclui temas como o uso do telégrafo, (o ngolokele), entre os povos bantu, desde tempos remotos; a escrita ancestral; a formação profissional; os matrimónios; a tradição política; os topónimos bantu e a sua lenda; a filosofia bantu sobre a morte e a origem do homem; relatos de Cabinda; hábitos e crendices alimentares, e outros temas sobre a antropologia, a arqueologia e o direito costumeiro.  

(mais…)

“A faca anti-Putin & outras coincidências”

“A faca anti-Putin & outras coincidências”

Crónica de TAZUARY NKEITA publicada no Jornal de Angola de 2 de Julho de 2023 e no no jornal Savana de 30 de Junho de 2023. Ilustração de TPYXA_ILLUSTRATION.

O 24 de Junho abalou o mundo, muito mais do que os dias narrados pelo norte americano John Reed, a propósito da Revolução Bolchevique de Outubro de 1917, na antiga URSS.

Desta vez, não foram os bolcheviques nem os mencheviques a abalarem o mundo em dez dias, mas sim os “wagneriviques”, de Yevgeny Prigozhin, antigo cozinheiro de Putin, ao assumirem o controlo da cidade estratégica de Rostov, durante algumas horas, e ameaçando marchar numa coluna militar até tomar Moscovo. E o mundo estremeceu com razão, num olhar clamoroso de transparente estupefacção por uma rebelião que estava a acontecer na maior potência nuclear do planeta, e em pleno teatro de guerra!

Ainda brinquei, inofensivamente, com quem me ouvia, dizendo:

“É o 27 de Maio russo, com a única diferença de que o nosso ocorreu mais cedo, em 1977, e o deles só acontece quase meio século mais tarde, em Junho de 2023. Aposto que Neto e Brejnev devem estar a discutir isto com antigos protagonistas, agora mesmo! E Neto diria certamente: – No passado, as minhas tropas foram mais eficazes do que o exército de Putin”…

“Eh! Foste longe”…, responderam-me.

“Sim. Fui longe de mais e já tinha escrito algo muito parecido à conspiração nas costas de Putin, no meu livro de crónicas romanceadas, ‘42.4 – A Voz do Dibengo’, em Junho de 2001, da página 63 à página 82.

Estávamos num reino imaginário, chamado Bakelele, sob a feroz autoridade de Sua Majestade o rei Makwinyi a Samanu Ni-Vwa, ’69’, nos seus 72 anos! E o cognome fora-lhe precisamente atribuído porque o ‘69’ não queria mudar! Era Sua Majestade ‘69’ à direita; Sua Majestade ‘69’ à esquerda; Sua Majestade ‘69’ para cima e Sua Majestade ‘69’ para baixo. Inalterável, o mesmo e eterno ‘69’, era o monarca absoluto!”

O que fazer então?!…

Os adversários – ninguém está a falar da NATO nem dos EUA – diziam que o velho ‘69’ tinha crises de histeria quando lhe sugerissem um sucessor democraticamente eleito. “Só se acalma ao ver o suposto sucessor lançado aos crocodilos”, diziam os detractores, especulando que o poder em Bakelele era exercido discretamente pelo cozinheiro real, uma eminência parda, Wollinho Kikussu, verdadeiro jovem turco. Até ao dia em que a iniciativa de uma suposta conspiração para afastar o “69” do poder partiu do próprio Wollinho Kikussu, o seu cozinheiro.

Há alguma semelhança entre Kikussu e o chefe do grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, que dizem ter sido também um brilhante cozinheiro e oligarca da indústria alimentar na Rússia?

Não! Tudo isso foi mera coincidência….

A criação literária tem destas coisas. De tanto observarmos a realidade, acertamos por mero acaso num palpite do futuro. E, isto, por uma simples razão, e nada mais:

– A mentalidade, ambição e os sentimentos humanos têm traços comuns, em todas as fases da História da Humanidade, com raras excepções e alguns génios à cabeça!

O Wollinho Kikussu de “A Voz do Dibengo” era um destes génios. Fiel cozinheiro

de Sua Majestade o Rei Makwinyi a Samanu Ni-Vwa (O Sessenta e Nove), era tão hábil, tão popular e tão destemido que passou a ser odiado pelos “papões do reino” e querido por outros. Viam nele “o delfim de Sua Majestade a abater, e invejavam-no”, leia-se na página 63…

Um belo dia, o delfimcozinheiro foi preso por alegada “alta traição”, intriga na verdade, e atirado a crocodilos esfomeados. Com os rumores da sua morte o reino transformou-se num caos.

Brevemente vou reeditar este livro que já está em francês e nas mãos de uma editora, para revisão. Mas, contrariamente ao que se disse sobre o chefe do grupo Wagner, que partiu exilado para a Bielorrússia, o cozinheiro Wollinho Kikussu acabou morto, não pelos crocodilos porque escapou vivo, como um gato, e mais ágil do que um símio. Lutando com todas as forças, perdeu a mão direita, na boca de um crocodilo, mas salvou a vida.

Nomeado “embaixador” por extrema bondade e clemência de Sua Majestade o Rei “69”, Kikussu morreu, contudo, num insólito acidente de viação, quando viajava com o grande amor da sua vida!… (página 82).

Quem matou Wollinho Kikussu?

Nada se diz. Os mortos não falam nem se confessam

Jornal de Angola de 2 de Julho de 2023

Savana de 30 de Junho de 2023