Categoria em Notas do Editor

“História de Angola”

“História de Angola”

Angola: desde antes da sua criação pelos portugueses até ao êxodo destes por nossa criação

Edição Especial – Volume I
Edição Especial – Volume II
Edição Especial – Volume III

Rating: 5 out of 5.

“Uma grande parábola”

Nota do Editor: João Ricardo Rodrigues

Em Outubro de 2018, recebi em Lisboa, pela mão do filho do nacionalista Emanuel Kunzika, antigo vice-primeiro-ministro do Governo Revolucionário de Angola no Exílio, a visita do ilustre médico e catedrático em Patologia, o Prof. Doutor Carlos Mariano Manuel ou Uina yo Nkuau Mbuta, que em Kikongo quer dizer “está melhor quem está com o outro”.

O tema de conversa deste encontro, foi a colossal Batalha de Ambuíla, ocorrida em 29 de Outubro de 1665, há 356 anos, e que opôs o reino do Congo às forças portuguesas estabelecidas em Luanda. À revelia das indicações do seu rei, D. Afonso VI, “O Vitorioso” (1), que ordenara a manutenção da Paz com o reino do Congo (por este ser um reino cristão e não avassalado a Portugal), as forças portuguesas avançaram por iniciativa própria para a Guerra, decisão que levou para combate dezenas de milhares de guerreiros, bem equipados. Aquilo que hoje parece ser um verdadeiro “choque de civilizações” entre dois dos maiores reinos do Mundo (o Antigo, o Império do Congo, e o Novo, o Império de Portugal), era na verdade, entre gente, que à primeira vista parecia diferente, mas que no fundo se conhecia muito bem (irmãos conforme tratamento entre os seus reis) e se respeitava por terem a mesma tenacidade guerreira e uma identidade espiritual cristã comum.

No campo de batalha de Ambuíla, temos de um lado o poderoso exército comandados pelo rei D. António I, do Congo ou Muana Malaza, que incluía um pequeno grupo de três dezenas de soldados lusos. Do lado de Luanda, milhares de soldados (africanos, brasileiros e americanos) comandados pelo cabo Luís Lopes de Sequeira.

O mais surpreendente desta conflito é a derrota do rei do Congo, a sua decapitação em combate e a profunda tristeza em que este acontecimento fez mergulhar os vitoriosos, em especial a corte portuguesa e o rei D. Afonso VI, pelo que não se prosseguiu com a ocupação do reino do Congo. O registo das exéquias fúnebres realizadas com Honras de Estado, em Luanda, ao rei D. António I, que terminou com o depósito da sua cabeça na Ermida da Nazaré, hoje património da Humanidade, é um momento único e impressionante, simbólico da História que une os dois povos, mas infelizmente desconhecida pelos cidadãos da República de Angola e pelos da República Portuguesa. Uma situação de que eu já tinha tomado consciência pela voz dos “mais-velhos” da “terra”, alguns já desaparecidos fisicamente, e que se repete permanentemente em muitos outros acontecimentos até 1975, com a independência nacional.

(mais…)

COVID-19 uma arma biológica

COVID-19 uma arma biológica

Como reforçar a imunidade? Protecção contra o COVID-19 (Ed. 2020)

Rating: 3 out of 5.

COVID-19 uma arma biológica

Nota do Editor: João Ricardo Rodrigues

Ontem(1), pela primeira vez, os produtores de crude pagaram, por barril, 37,63 dólares, no WTI, aos compradores para ficarem com a sua produção de Maio, alterando radicalmente a lógica da ordem económica. Este é apenas mais um dado curioso a juntar a muitos outros acontecimentos únicos deste primeiro semestre de 2020.
De acordo com o professor Luc Montagnier, Nobel de Medicina, responsável pela descoberta do HIV em 2008, este novo vírus teve origem no Instituto de Virologia de Wuhan, um laboratório militar na China. Uma declaração polémica dada à rádio Frequénce Médicale em Abril de 2020, contrariando o discurso suave e oficial de vários estados e organizações de referência.

Em Agosto de 1945, os Estados Unidos alteraram radicalmente a guerra com o Império do Japão, com a “destruição rápida e total(2)” das cidades de Hiroshima (6 de Agosto) e Nagasaki (9 de Agosto), a maioria das vítimas foi civis.

Em 2020, estamos a assistir a um estranho acontecimento que está a mudar radicalmente e de uma forma muito rápida a ordem mundial conhecida. Mas hoje, as vítimas deste novo acontecimento, eventualmente mais um crime contra a Humanidade(2), são (quase) em exclusivo os civis mais frágeis.

É neste cenário de pandemia, com cheiro a morte, com os cidadãos aprisionados em casa, as fronteiras fechadas, os direitos civis comprometidos, mas ao mesmo tempo com um planeta a respirar, de alívio, pela extraordinária interrupção da actividade poluente, que decidimos publicar o Guia de Imunonutrição  “COMO REFORÇAR A IMUNIDADE? PROTECÇÃO CONTRA O COVID-19 (Ed. 2020), de Luís Philippe Jorge, um verdadeiro manual de sobrevivência aos ataques e contra-ataques bacteriológicos que vamos estar sujeitos nos próximos tempos.

(mais…)