Categoria em Actividades 2023

Embaixador de São Tomé e Príncipe é informado sobre Volume II da colectânea “Os Bantu na visão de de Mafrano”

Embaixador de São Tomé e Príncipe é informado sobre Volume II da colectânea “Os Bantu na visão de de Mafrano”

Luanda, 26 de Janeiro de 2023 – O Embaixador de São Tomé e Príncipe em Angola, Carlos Gustavo dos Anjos, recebeu na passada quarta-feira, dia 25 de Janeiro, em Luanda, uma delegação da família do escritor e etnólogo angolano Maurico Caetano, que lhe informou sobre a próxima publicação do Volume II da colectânea póstuma «Os Bantu na visão de Mafrano – Quase Memórias».

Depois da publicação do primeiro volume em Maio de 2022, o volume dois desta colectânea sobre Antropologia cultural angolana poderá ser apresentado ao público em Julho de 2023.

Tanto o editor como a família do autor estão de acordo com esta calendarização e os contactos estão muito avançados. A cidade de São Tomé e Príncipe, por seu turno, foi escolhida para o anúncio público desta nova obra, a ser feito durante uma cerimónia agendada para o dia 1 de Fevereiro na Faculdade de Ciências e das Tecnologias.

Se o Volume I traz textos de MAURÍCIO CAETANO com a data de 1957, o próximo Volume II faz o leitor recuar 11 anos, num resgate do que o autor escreveu em 1946 no Jornal «Semanário Angola Norte», editado em Malanje e também no Jornal católico «O Apostolado» de 1959 a 1973.

Naquela época, Mafrano, o pseudónimo literário de Maurício Caetano, já era um vigoroso investigador empenhado na defesa da Cultura Bantu, como mostram os extractos que se seguem:

«…a inegável ressonância com as fábulas de todas as latitudes e tempos, que apresentam os animais não só falando entre si, como ainda com o homem (o Bantu), só mostra que todas as raças humanas têm um fundo psicológico comum», escreveu ele em 1972, citando exemplos da mitologia greco-romana.

E Mafrano dizia mais, em 1972: «O individuo que hoje coma uma tangerina não tem preocupação de lembrar, sendo português, que os seus compatriotas conheceram, essa citrina, pela primeira vez, como oriunda de Tânger (Marrocos) e daí o nome. Este foi, em tempos idos, uma palavra composta: laranja-tangerina. Os franceses, mais tradicionalistas do que nós, dizem ainda hoje “Orange de Tanger”, embora digam também “mandarine”.»
«O leitor que tenha boa memória pode fazer uma lista bonita de expressões, ditados, máximas, aforismos e anexins que nos evocam um passado que passou mesmo», acrescenta igualmente.
«Quem vê ainda hoje um coqueiro no “Bairro dos Coqueiros”, em Luanda, que conserva este nome? Onde é que há cisternas hoje na Maianga? Ora, nós continuamos com os termos coqueiros (que já os ouve) e com “maianga”, uma palavra Kimbundu que significa poço, cisterna, em português», são estas algumas das citações do próximo Volume II da colectânea «Os Bantu na visão de Mafrano – Quase Memórias» cujo anúncio será feito numa cerimónia de homenagem ao cónego José da Costa Frota, o sacerdote de São Tomé e Príncipe que educou o autor, então órfão.
Esta versão é a mais actualizada !

Terminou a primeira fase, digitalização, do Volume II da colectânea «Os Bantu na visão de Mafrano», de Maurício Francisco Caetano. Caso não haja imprevistos, o livro poderá ser lançado em Julho de 2023. Tanto o editor como a família do autor estão de acordo com esta calendarização e os contactos estão bem encaminhados. A cidade de São Tomé e Príncipe, por seu turno, foi escolhida para o anúncio público desta nova obra, a ser feito durante uma cerimónia já agendada para o dia 01 de Fevereiro na Faculdade de Ciências e das Tecnologias.

Se o Volume I trazia textos de MAURÍCIO CAETANO com a data de 1957, o Volume II faz-nos recuar 11 anos para resgatar o que o autor escreveu em 1946 no Jornal “Semanário Angola Norte”, editado em Malanje. Naquela época, Mafrano já era vigoroso na defesa da Cultura Bantu, como mostram os textos que se seguem:
«…a inegável ressonância com as fábulas de todas as latitudes e tempos, que apresentam os animais não só falando entre si, como ainda com o homem (o Bantu), só mostra que todas as raças humanas têm um fundo psicológico comum», escreve ele.

E Mafrano diz-nos mais: «O individuo que hoje coma uma tangerina não tem preocupação de lembrar, sendo português, que os seus compatriotas conheceram, essa citrina, pela primeira vez, como oriunda de Tânger (Marrocos) e daí o nome. Este foi, em tempos idos, uma palavra composta: laranja-tangerina. Os franceses, mais tradicionalistas do que nós, dizem ainda hoje Orange de Tanger, embora digam também mandarine.»

«O leitor que tenha boa memória pode fazer uma lista bonita de expressões, ditados, máximas, aforismos e anexins que nos evocam um passado que passou mesmo.
Quem vê ainda hoje um coqueiro no “Bairro dos Coqueiros”, desta cidade, (Luanda) que conserva este nome? Onde é que há cisternas hoje na Maianga? Ora, nós continuamos com os termos coqueiros (que já os ouve) e com maianga que significa em Kimbundu poço, cisterna».

Esta e outras questões foi o tema de uma audiência que o Embaixador de São Tomé e Príncipe concedeu no passado dia 25 de Janeiro, a dois membros da família de Maurício Caetano, antes da cerimonia que terá lugar na capital daquele pais.

O primeiro volume da colecção “Os bantu na visão de Mafrano” (Ed. 2022) será apresentado na Faculdade de Ciências e das Tecnologias da Universidade de São Tomé e Príncipe, no auditório da Faculdade de Ciências e das Tecnologias, na cidade de São Tomé, a 1 de Fevereiro, quarta-feira, às 15h00.

4 de Fevereiro

4 de Fevereiro

A livraria Ferin, no Chiado, em Lisboa, vai receber o nosso primeiro encontro com autores deste ano novo de 2023, dedicado ao 4 de Fevereiro de 1961, em Angola. Uma conversa sobre a histórica revolta popular de Luanda (Angola) alargada aos acontecimentos mais recentes no Brasil. Uma oportunidade para conversar com os nossos autores e descobrir as mais recentes publicações.

Dois autores convidados:

JONUEL GONÇALVES — Angolano, economista, professor catedrático, começou por escrever panfletos num grupo estudantil clandestino, no início da luta pela independência, em 1961. Depois, acrescentou artigos em jornais e revistas. Em 1991, com a abertura em Angola, publicou o seu primeiro livro, um ensaio-reportagem sobre a guerra. Mas a guerra voltou e ele só voltou a ter paz para escrever o segundo em 2002, publicado em 2007. Depois nunca mais parou, como também não parou de nomadizar entre Angola, Brasil, Portugal, etc. É autor de mais de 10 livros com destaque para “Economia e Poder no Atlântico Sul” (Ed. 2022) e “E agora quem avança somos nós” (Ed. 2022).

CARLOS MARIANO MANUEL — Angolano, médico, investigador em História, professor catedrático em patologia, presidente da Liga Africana. Tão cedo quanto no primeiro lustro da sua vida ficou, inocente, envolvido no epicentro dos tempestuosos acontecimentos integrados no início da guerra, pela Independência Nacional ou anticolonial (em Angola), e do ultramar ou colonial (em Portugal). Medrou até ao início da juventude sujeito ao arbítrio dos chamados, de um lado libertadores e, do outro, civilizadores. Sobreviveu ao convulsivo período em torno e o subsequente à Independência, integrado na ordem social instituída pelas novas autoridades do país. O exercício profissional nos âmbitos assistencial e do magistério superior da medicina levaram-no, sucessivamente, dentre muitos outros destinos, ao Huambo, um dos epicentros do conflito fratricida pós-independência em solo pátrio e a Berlim, também um dos centros na Europa geradores das principais decisões que influenciaram o Mundo no último quartel do século XIX e no século XX. A necessidade de racionalização científica desses acontecimentos levaram-no a frequentar, suplectivamente e na condição de discente livre, os cursos de História Moderna e Contemporânea na Universidade de Humboldt em Berlim, tendo posteriormente realizado a investigação multicêntrica na Europa, América e África de natureza metanalítica, de sítios históricos, arqueológicos, museológicos, bem como a realização de entrevistas com testemunhas do tempo e relevantes para a História de Angola. Contudo, estes esforços, de sequiosa e humilde procura da razão das coisas pretéritas e correntes bem como de melhoria das vindouras. Autor do Tratado de História de Angola , edição especial de prestígio e edição económica.

Livraria Ferin — O nome desta livraria tem origem no apelido de uma família belga que se fixou em Portugal por ocasião das guerras napoleónicas. O primeiro Ferin que se mudou para Lisboa chamava-se Jean Baptiste e era o 6.º avô do nosso colega Vasco Dias Pinheiro. Jean-Baptiste teve 11 filhos, 7 dos quais começaram a trabalhar em profissões ligadas aos livros (Gabinete de Leitura, Encadernação, Tipografia, etc…). Quando Jean Baptiste chegou a Portugal, por volta de 1800, ainda não havia eletricidade nas ruas, nem automóveis e muito menos autocarros. As pessoas deslocavam-se a pé ou de caleches, pequenas carruagens puxadas a cavalos.

As filhas de Jean-Baptiste Ferin abriram um Gabinete de Leitura no Chiado no local onde fica hoje a Livraria Ferin
Duas das suas filhas, Maria Teresa e Gertrudes, abriram no Chiado, em Lisboa, no local onde fica hoje esta bela livraria, um Gabinete de Leitura que funcionava mais como uma biblioteca do que como uma livraria, pois emprestava os livros a quem quisesse lê-los. As pessoas pagavam o aluguer dos livros e era com esse dinheiro que se ia aumentando o número de exemplares do Gabinete. Como eram estrangeiras, Maria Teresa e Gertrudes tinham facilidade na compra de livros estrangeiros e começaram a ser conhecidas no meio cultural lisboeta e até do País.

Maria Teresa, uma das filhas, transformou o Gabinete de Leitura na atual livraria
Como Maria Teresa tinha grande iniciativa, acabou por transformar o Gabinete de Leitura numa livraria, tornando-se, assim, na primeira livreira desta secular família.

A partir dessa altura e até meados do século XX, a livraria dispôs também de uma oficina de encadernação. O rei D. Pedro V mandava encadernar nela todos os seus livros e resolveu mesmo nomeá-la Encadernadora Oficial da Casa Real Portuguesa.

A segunda Livraria mais antiga de Lisboa
Desde 1840, pela Ferin passaram e foram seus clientes grandes personalidades da vida literária do País, como por exemplo Eça de Queiroz.

Muitas outras histórias poderiam ser contadas para atestar o importante papel que esta livraria tem desempenhado ao longo da sua existência.

Ao longo de décadas de trabalho, muitos foram os lançamentos de livros que tiveram lugar na Livraria Ferin.

Morada: Rua Nova do Almada, 72
1249-098 Lisboa . Tel.: 213424422

Outras actividades programadas para a livraria Ferin, no Chiado, em Lisboa