Todos os artigos de em Editorial PC-E

Programas paralelos no dia 2 de Julho de 2022

No próximo Sábado, 2 de Julho de 2022, os nossos autores, Luis Philippe Jorge e Jonuel Gonçalves , vão realizar sessões públicas em áreas diferentes e que podem ter interesse para os nossos leitores.


JONUEL GONÇALVES (JOSÉ GONÇALVES)

O Prof. Doutor José Gonçalves é economista e professor universitário em Relações Internacionais da Universidade Federal Fluminense (Rio de Janeiro, Brasil). Como autor assina os seus livros como Jonuel Gonçalves.

Relações entre Economia e Política no Atlântico Sul: panorama atual

Fórum Internacional: Atlântico Sul um sistema de economia política?

Grupo Soberania Nacional – UFU

Data: sábado 2 de Julho (18h00 às 20h00) – Hora no Brasil

Inscrição: cursosoberanianacional@hotmail.com

Com a inscrição recebe o link de acesso


LUÍS PHILIPPE JORGE

Psicoterapeuta (abordagem psico-orgânica – ortomolecular),
Especializado em Nutriterapia CFNA (Centro de Formação em Nutriterapia Aplicada – Bélgica)
Formador acreditado pelo CPFC (Conselho Cientifico-Pedagógico de Formação Continua, Braga)

 Seminário de Nutriterapia 

Como vencer o sobrepeso, a diabetes tipo 2 e integrar uma nutrição cardioprotectora”.

Data: sábado 2 de Julho (9h30 às 12h30, e das 14 às 17h30)

 Local: Espaço Amar, Rua Rosa Araújo, nº 34, 5º andar, 1250-195, Lisboa

Reservas e informações: (+351) 914 246 593

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é como-reforcar-a-imunidade-proteccao-contra-o-covid-19-1.jpg

Tratado da História de Angola apresentado na rádio ECCLESIA

Tratado da História de Angola apresentado na rádio ECCLESIA

8 de Junho de 2022 — Rádio ECCLESIA entrevista o professor catedrático e investigador em História, Carlos Mariano Manuel, a propósito da publicação do monumental tratado da História de Angola “Angola: desde antes da sua criação pelos portugueses até ao êxodo destes por nossa criação” e recentemente apresentado na fortaleza de São Miguel , em Luanda.

O Bispo da Diocese da Provincia do Bengo com sede em Caxito, D. Mauricio Agostinho Camuto, recebeu o entrevistado e manifestou um grande regozijo que sentiu no termo da entrevista.

Antigo presidente visita a nossa editora

Antigo presidente visita a nossa editora

Visita surpresa de ilustres autores/leitores de Cabo Verde, Lígia Fonseca (natural de Moçambique é advogada, autora e antiga primeira-dama de Cabo Verde) e o antigo Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca (político, jurista, professor universitário, escritor e poeta). No encontro, que muito honrou a nossa equipa, foram oferecidos livros publicados pela nossa editora e combinámos preparar, na cidade Praia, um de grande encontro cultural com autores de Angola.

Arquivo recebe Tratado da História de Angola

Arquivo recebe Tratado da História de Angola

O Arquivo Histórico Ultramarino (AHU) recebeu no passado dia 2 de Junho de 2022, a primeira edição do tratado da história de Angola “Angola: desde antes da sua criação pelos portugueses até ao êxodo destes por nossa criação” (Ed. 2021), de Carlos Mariano Manuel, investigador em História, médico e catedrático em Patologia.

O editor, João Ricardo Rodrigues, entregou esta primeira edição, de tiragem limitada e de grande prestígio (exclusiva para coleccionadores e bibliotecas), à directora do Arquivo Histórico Ultramarino, Dr.ª Ana Canas Delgado Martins e à Dr.ª Maria Teresa Neves, curiosamente descendente de uma antiga família de Benguela (Angola) e refugiada de guerra no conturbado processo de independência nacional.

O editor, em nome do autor, aproveitou para agradecer a existência deste valioso arquivo (um património fundamental para conhecer a História de vários países), e exaltar o trabalho de conservação da equipa do AHU. 

A direcção do AHU tinha solicitado esta obra à editora “pela estreita ligação que tem com o acervo do Arquivo”, e aproveitou esta oferta para manifestar o seu regozijo e surpresa pela dimensão deste empreendimento independente (26 anos de investigação + um ano de edição), tendo também realçado a forte e estreita ligação com o Arquivo Nacional de Angola (ANA). 

O Arquivo Histórico Ultramarino foi criado em 1931, no âmbito do Ministério das Colónias, em 1973 foi integrado na Junta de Investigações Científicas do Ultramar. Na sequência da extinção do Instituto de Investigação Científica Tropical, o Arquivo Histórico Ultramarino foi integrado na Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas. O AHU tem a responsabilidade de arquivar, conservar e tratar tecnicamente a documentação existente de interesse ao estudo e conhecimento da história colonial. 

A Biblioteca do Arquivo Histórico Ultramarino é maioritariamente constituída por obras sobre a história da presença dos portugueses no mundo e das comunidades com as quais se relacionaram, nas suas várias vertentes (15900 monografias e 720 títulos de publicações em série, num total aproximado de 35000 volumes).

Livro «Os Bantu na visão de Mafrano» oferecido a ministra moçambicana

Livro «Os Bantu na visão de Mafrano» oferecido a ministra moçambicana

Maputo, 28 de Maio de 2022 – O livro de antropologia cultural angolana, «Os Bantu na visão de Mafrano», foi oferecido este sábado à Ministra da Cultura e do Turismo da República de Moçambique, Dra Eldevina Materula, durante uma breve cerimónia realizada na Casa Museu José Craveirinha, em Maputo.

A cerimónia foi testemunhada pela família do prestigiado poeta e escritor moçambicano cujo centenário foi celebrado em Maputo de 24 a 26 de Maio, por iniciativa da Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO).

Na oportunidade, a Ministra Eldevina Materula agradeceu o gesto que considerou “uma prova eloquente da necessária vitalidade no intercâmbio cultural entre Angola e Moçambique”.

A delegação angolana que participou, a convite da AEMO, na primeira Conferência Internacional sobre o centenário de José Craveirinha foi composta por Luisíndia Caetano e Anete Caetano. Na sexta-feira, 27, as duas participantes de Angola apresentarem, na casa dos escritores moçambicanos, o livro «Os Bantu na visão de Mafrano», de Maurício Francisco Caetano, seu avô, numa cerimónia que contou com a presença de cerca de trinta pessoas, incluindo escritores, diplomatas, editoras, representante da igreja católica e representantes da cultura.

À margem destas actividades, a delegação angolana foi recebida quinta-feira de manhã, 26, pelo arcebispo de Maputo, Dom Francisco Chimoio que enquanto padre capuchinho esteve em Angola durante os anos 70’s. O encontro decorreu no arcebispado de Maputo “num clima de emoção e de enorme satisfação”, segundo as participantes.

A obra «Os Bantu na visão de Mafrano», foi lançada a título póstumo no passado dia 14 de Maio, em Luanda, e apresentada igualmente a alunos do Seminário da província da Huíla, no Lubango, na presença do arcebispo emérito daquela cidade, Dom Zacarias Kamuenho. Também o arcebispo de Luanda, Dom Filomeno Vieira Dias do Nascimento, destacou o conteúdo e a importância desta obra como um instrumento que “vai ajudar a compreensão de práticas dos povos desta região” .

Em Maputo, as duas angolanas avistaram-se ainda com Maria de Lurdes Mutola, a campeã olímpica de Moçambique e convidada de honra desta Conferência Internacional sobre o centenário da Craveirinha.

O livro «Os Bantu na visão de Mafrano» foi editado pela família do autor a partir de textos dispersos no Jornal católico «O Apostolado», entre os anos 1957 e 1982, e faz parte de uma colectânea a ser publicada em três volumes que abarca estudos sobre a escrita ancestral, os tribunais, a formação profissional, os matrimónios, a tradição política e a solidariedade humana.

“Pensar Angola” em Angola

“Pensar Angola” em Angola

O ex-primeiro-ministro, Marcolino Moco, o empresário, Francisco Viana, o músico, Eduardo Paim e alguns académicos lançaram com sucesso o projecto “Pensar Angola”.



MENSAGEM DA ORGANIZAÇÃO

O Congresso da Nação…!

Por um Projecto Angolano de Consenso!

46 anos apôs a Independência, Angola está passar por momentos de grande indefinição, instabilidade e grave crise económica e social, que urge ultrapassar, cabendo a cada Angolano, a responsabilidade de dar o seu melhor contributo;

Neste Ano de 2022, o Povo Angolano tem uma grande oportunidade de, através do seu Voto, escolher uma liderança capaz de elevar Angola a uma melhor condição Económica e Social, elevando também os nossos níveis de Felicidade;

Todos desejamos ser felizes e todos sonhamos com o dia em que, em Angola, se possa viver com Dignidade e Prosperidade. Para que este sonho se torne uma realidade, deveremos, no mínimo, contribuir para definirmos, juntos: Partidos Políticos, Sociedade Civil e Agremiações Religiosas, qual o Projecto que queremos para Angola;

Precisamos de um Projecto Angolano de Consenso;

Não podemos, nem devemos chegar ao dia das eleições, sem apresentarmos, claramente, quais são as nossas propostas, para uma Angola Melhor, mais inclusiva e mais solidária; Unida na Diversidade. Teremos também que ver esclarecidas, quais as propostas dos Partidos Políticos que se propõem governar Angola para os anos de 2022 a 2027;

O Povo Angolano, não pode encarar estas próximas eleições como uma simples escolha de bandeiras, como se de uma competição de futebol se tratasse. O que está em jogo é muito mais do que isso, pois a nossa escolha irá determinar o nosso futuro, a nossa qualidade de vida e a nossa felicidade;

Precisamos por isso, de definir muito bem, que modelo de Estado, de Sociedade e de Desenvolvimento Econômico queremos para Angola? Das nossas escolhas dependerá o nosso destino e futuro e o bem estar das próximas gerações.

Uma grande responsabilidade recaí certamente sobre a nossa geração. Todos os Angolanos, independentemente da sua filiação partidária, idade, credo religioso e condição social, tem o direito e o dever de se pronunciarem sobre Um Projecto Comum para Angola;

Chegou a hora de propormos, debatermos e aprovarmos um “Projecto Angolano de Consenso”, esse Projecto Angolano Comum, esse Grande Sonho por Uma Angola Melhor: Uma Angola Próspera e Generosa;

Chegou a hora de concebermos Uma Nova Angola, onde todos seremos poucos para construirmos uma Angola onde é bom viver…Todos: Partidos Políticos, Organizações da Sociedade Civil, Cidadãos, Instituições Religiosas… Todos, do Governo e da oposição… para que juntos e bem concertados, possamos assumir Um Projecto Comum, assinando “O Pacto da Nação”; O Projecto Angolano de Consenso;

Angolanas e Angolanos, é pois imbuídos deste Objectivo Patriótico, que um grupo de cidadãos, cumprindo com os seus deveres cívicos, iniciaram a organização do Congresso da Nação, Por um Projecto Angolano de Consenso, que terá lugar nos dias 27 e 28 de Maio de 2022, no Centro de Congressos da Casa Viana, em Viana, Província de Luanda – Angola;

Participarão neste Congresso da Nação, centenas de representantes dos vários meios e comunidades Angolanas, de todo o País e da Diáspora Espalhada pelo Mundo;

Participarão como Parceiros do Congresso da Nação: Partidos Políticos, Instituições da Sociedade Civil, Associações Empresariais, Ordens Profissionais, Universidades, Instituições Religiosas, Cidadãos, Activistas e Especialistas de reconhecido mérito, Orgãos de Comunicação Social, Autoridades Tradicionais, entre outros;

Esperamos como resultados do Congresso da Nação:

1. Contribuir para a elaboração de um Projecto Nacional de Consenso, que reflita o Interesse da Nação Angolana, por Um Projecto Angolano de Consenso, em prol de uma Angola Moderna, Próspera,
Inclusiva, Solidária e Plenamente Democrática;

2. Contribuir para um melhor esclarecimento, pré-eleitoral, sobre as propostas de cada uma das forças políticas concorrentes à governação para o mandato de 2022 a 2027;

3. Contribuir para a criação de um ambiente de Paz, Concordia e Respeito pré e pôs eleitoral e para um processo eleitoral: transparente, justo, livre e tranquilo e cujos resultados sejam totalmente respeitados;

Angolanas, Angolanos, Estimados Patriotas…

Estão todos convidados, sem excepção, a participar neste Congresso da Nação, por um Projecto Angolano de Consenso;

Angola precisa de todos nós e a Hora é Agora…A Patria está a chamar… Participe…!

Pela Comissão Organizadora

Francisco Viana
Paulo Faria
Eduardo Paím
Marcolino Moco
Paulo Inglês

Festa do Livro em Belém

Festa do Livro em Belém

As nossas últimas edições de autores de Angola, Cabo Verde e Portugal vão estar presentes nos jardins de Belém entre 2 e 5 Junho de 2022, no stand da Promobooks.

Concertos, cinema, debates, sessões de autógrafos e apresentações de livros fazem parte do programa da Festa do Livro em Belém deste ano, bem como um espaço para os mais pequenos, dinamizado pela Rede de Bibliotecas de Lisboa, com sessões do conto, jogos didáticos, yoga e música para bebés. Estarão, ainda, disponíveis várias áreas de leitura, uma ligação aberta ao Jardim Botânico Tropical, bem como uma zona de restauração.

A Festa do Livro em Belém 2022 é uma organização da Presidência da República e da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, com a parceria das Bibliotecas Municipais de Lisboa.

O acesso é efetuado pela Loja do Museu da Presidência da República, na Praça Afonso de Albuquerque, onde será realizado o controlo de segurança a todos os que pretendam entrar no local.

Para mais informações, contacte o Museu através do telefone 213 614 660 ou do endereço de correio eletrónico museu@presidencia.pt.

Programa 2022

A Festa do Livro em Belém é uma iniciativa do Presidente da República para promover obras e autores de língua portuguesa. A edição deste ano conta novamente com a organização da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros e a parceria das Bibliotecas Municipais de Lisboa.

Entrada livre pelo Museu da Presidência da República ou pelo Jardim Botânico Tropical.


Quinta-feira, 2 de junho

18h00 – Abertura oficial da Festa do Livro em Belém 2022

21h00 – CINEMA | “Cartas a Uma Ditadura”, de Inês de Medeiros

22h00 – Encerramento das editoras e das entradas do público

22h00 – CINEMA | “Donbass”, de Sergei Loznitsa (antestreia)

00h10 – Fim da sessão de cinema, saída do público


Sexta-feira, 3 de junho

11h00 – Abertura ao público

22h00 – Encerramento das editoras e das entradas do público

22h00 – MÚSICA | Concerto José Cid

23h30 – Fim do concerto, saída do público


Sábado, 4 de junho

11h00 – Abertura ao público

16h00 – Apresentação do Catálogo «Maria de Lourdes Pintasilgo. Mulher de Um Tempo Novo»
Oradores: Isabel Allegro de Magalhães | Viriato Soromenho-Marques
Moderadora: Elsa Alípio

17h00 – DEBATE | «O lugar de Agustina»
Oradores: Mónica Baldaque | Álvaro Manuel Machado
Moderador: Pedro Mexia

22h00 – Encerramento das editoras

22h00 – MÚSICA | Concerto Manel Cruz

23h30 – Fim do concerto, saída do público


Domingo, 5 de junho

11h00 – Abertura ao público

18h00 – DEBATE | «Somos todos Europeus?»
Oradores: Diana Soller | José Manuel Pureza
Moderador: Pedro Mexia

21h00 – Encerramento das editoras

21h00 – MÚSICA | Concerto Maria João Pires e Ricardo Castro

22h00 – Fim do concerto, saída do público


Todos os dias, as editoras participantes promovem sessões de autógrafos com escritores e lançamentos de livros.

O nosso autor Hugo Henriques comentou: encontrei-me com o Verdadeiro “Amor Verdadeiro”, no palácio de Belém, afinal nem sou um autor atirado ao esquecimento…

Mafrano chega a Maputo

Mafrano chega a Maputo

O livro “Os Bantu na visão de Mafrano” está a ser exposto em Maputo, Moçambique, aos participantes à Primeira Conferência Internacional sobre o Centenário do poeta Moçambicano José Craveirinha.

A apresentação da obra com venda e assinatura de autógrafos estará a cargo de uma neta de Maurício Caetano que se encontra na cidade de Maputo a convite da Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO).

A foto abaixo mostra as duas participantes de Angola na companhia de Maria de Lurdes Mutola, a campeã olímpica de Moçambique.


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11