Todos os artigos de em Editorial PC-E

Encontro de autores na Feira do Livro de Lisboa

Encontro de autores na Feira do Livro de Lisboa

O expositor D47 é o nosso ponto de encontro amanhã (15/06/2024) para autógrafos das obras mais recentes:

Filipe J. D. Pereira – 15/06/2024 entre as 15h30 e as 18h30 — 3 em 1

Sedrick de Carvalho e Tomás Lima Coelho – 15/06/2024 entre as 15h30 e as 18h30 — Autores e Escritores de Angola 1642-2022

Sedrick de Carvalho – 15/06/2024 entre as 15h30 e as 18h30 — Prisão Política

Luís Gaivão esteve na Feira do Livro de Lisboa

Luís Gaivão esteve na Feira do Livro de Lisboa

A Feira do Livro de Lisboa recebeu hoje (12/06/2024), para uma sessão de autógrafos, Luís Gaivão, autor do livro  Angola e o Atlântico | Colonialismo, Colonialidade e Epistemologia Descolonial

No próximo Sábado, 15/06/2024, os nossos autores Sedrick de Carvalho e Tomás Lima Coelho  vão estar na Feira do Livro de Lisboa entre as 15h00 e as 19h00, disponíveis para autografar a mais recente edição do livro Autores e Escritores de Angola 1642-2022.

No Sábado vai estar também o poeta Filipe J. D. Pereira disponível para autografar a obra original 3 em 1

A representante da editora Perfil Criativo na Feira do Livro de Lisboa é a editora/livraria Promobooks, está localizada no expositor D47.

O expositor D47 da Promobooks é o representante das edições da Perfil Criativo

Sessão de autógrafos na Feira do Livro de Lisboa

Sessão de autógrafos na Feira do Livro de Lisboa

O expositor D47 é o nosso ponto de encontro para autógrafos das obras mais recentes:

Tomás Lima Coelho – 8/06/2024 das 14h00 às 15h00 — Autores e Escritores de Angola 1642-2022

Luís Gaivão – 12/06/2024 das 17h00 às 19h00 — Angola e o Atlântico | Colonialismo, Colonialidade e Epistemologia Descolonial

Sedrick de Carvalho e Tomás Lima Coelho – 15/06/2024 entre as 17h00 e as 19h00 — Autores e Escritores de Angola 1642-2022

Stand D47 onde pode encontrar as edições mais recentes da Perfil Criativo e da Elivulu

Mas afinal, o que é um adulto?

Mas afinal, o que é um adulto?

Um grupo de (prováveis) adultos questiona a realidade do que é ser adulto.

As personagens vão explorando situações como evitar cumprir com as suas responsabilidades, a preguiça, a gula, a vaidade, o comportamento absurdo do adulto apaixonado, etc.

Mas afinal, o que é um adulto?

7 e 8 de Junho às 21H00 

Auditório da Escola Secundária Padre António Vieira (Alvalade, Lisboa)

Rua Marquês Soveral, 1749-063 Lisboa

Bilhete: 5,00€

Classificação: M/12 

RESERVAS: Secretaria Estrelas SJB  218 482 386 / 933 392 213 

Satyohamba ilustre visita do reino dos Cuanhamas

Satyohamba ilustre visita do reino dos Cuanhamas

Foi um encontro de elevada magnitude, no “bunker cultural” da editora Perfil Criativo, com o ilustríssimo economista, surpreendente autor e príncipe do Reino dos Cuanhamas, Arsénio Satyohamba.

Neste encontro, na antiga capital do império, o editor João Ricardo Rodrigues aproveitou para oferecer dois volumes com a pré-história do grande grupo étnico e linguístico Bantu, “Os Bantu na Visão de Mafrano — Quase memórias“, de Maurício Francisco Caetano, com a indicação de que estas obras vão ser apresentadas em Lisboa e no Porto durante o próximo mês de Julho e são representativas da diversidade cultural de Angola.

O Reino dos Cuanhamas

O Reino dos Cuanhamas, também conhecido como Reino Kwanyama ou Reino Oukwanyama, foi uma entidade política e cultural localizada no sudoeste da África, ocupando principalmente o norte da Namíbia e o sul de Angola. Este reino é parte integrante da história do povo Ovambo, um dos maiores grupos étnicos da região.

História e Fundação

O Reino dos Cuanhamas foi estabelecido por volta do século XVII. Sua fundação é atribuída a líderes do clã Kwanyama, que conseguiram consolidar poder e influência sobre várias comunidades Ovambo. Os Ovambo são conhecidos pela sua organização social complexa, baseada em aldeias lideradas por chefes (homens e mulheres) e uma estrutura de clãs com sistemas de parentesco matrilineares.

Organização Política e Social

O reino era governado por um rei, chamado “Oshamukwila,” que exercia autoridade central sobre os chefes locais. A sucessão do trono era geralmente hereditária, mas a escolha do sucessor envolvia a aprovação dos anciãos e líderes.

A sociedade dos Cuanhamas era fortemente hierarquizada e centrada na agricultura e pecuária. As principais culturas agrícolas incluíam milho, sorgo e feijão, enquanto o gado desempenhava um papel crucial tanto na economia quanto nas práticas culturais e religiosas.

Cultura e Tradições

A cultura dos Cuanhamas é rica em tradições orais, músicas, danças e cerimónias. As histórias e mitos eram passados de geração em geração, preservando a memória coletiva e ensinamentos morais. A religião tradicional dos Cuanhamas envolvia a veneração de ancestrais e espíritos, com rituais e festivais importantes para a comunidade.

Conflitos e Colonização

Durante o final do século XIX e início do século XX, o Reino dos Cuanhamas enfrentou desafios significativos devido à colonização europeia. A Alemanha, que colonizou a Namíbia (então chamada Sudoeste Africano Alemão), e Portugal, que controlava Angola, tiveram um impacto profundo na região. Conflitos com colonizadores e guerras intertribais enfraqueceram o reino o que resultou na destruição da capital real, Omhedi, e na dispersão da população.

Legado

Apesar do colapso do reino, a identidade e cultura Cuanhama continuam a ser uma parte vital da vida dos Ovambo na Namíbia e Angola. O legado do Reino dos Cuanhamas é mantido vivo através das práticas culturais, língua, e tradições que ainda perduram.

O impacto histórico do reino é reconhecido na região, e muitos descendentes dos antigos reis Cuanhamas ainda desempenham papéis importantes na sociedade contemporânea. A história dos Cuanhamas é um testemunho da resiliência e riqueza cultural do povo Ovambo.

O Reino dos Cuanhamas foi um exemplo notável de organização social e política na África pré-colonial. A sua história oferece percepções valiosas sobre a vida, cultura e resistência das comunidades africanas diante das pressões coloniais. O estudo e preservação dessa história são fundamentais para a compreensão da diversidade e complexidade do passado africano.

Os livros de Satyohamba (Ondjiva) publicados na República de Angola

(2021)

(2018)

Espelho, espelho meu… há alguém mais adulto do que eu?

Espelho, espelho meu… há alguém mais adulto do que eu?

Um grupo de (prováveis) adultos questiona a realidade do que é ser adulto.

As personagens vão explorando situações como evitar cumprir com as suas responsabilidades, a preguiça, a gula, a vaidade, o comportamento absurdo do adulto apaixonado, etc.

Mas afinal, o que é um adulto?

7 e 8 de Junho às 21H00 

9 de Junho às 16H00

Auditório da Escola Secundária Padre António Vieira (Alvalade, Lisboa)

Rua Marquês Soveral, 1749-063 Lisboa

Bilhete: 5,00€

Classificação: M/12 

RESERVAS: Secretaria Estrelas SJB  218 482 386 / 933 392 213 

Feira do Livro de Lisboa: Novidades da Perfil Criativo no expositor D47

Feira do Livro de Lisboa: Novidades da Perfil Criativo no expositor D47

Na Feira do Livro de Lisboa de 2024 a editora Perfil Criativo vai estar representada pela Promobooks/Papa Letras no expositor D47, junto ao auditório Norte, de 29 de Maio a 16 de Junho.

A Feira do Livro de Lisboa é um dos eventos literários mais antigos e importantes de Portugal. A sua primeira edição remonta a 1930, organizada pelo então recém-criado Sindicato Nacional dos Editores, precursor da atual Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL). A feira surgiu com o objetivo de promover a leitura e aproximar o público dos livros e dos seus autores, bem como para fomentar a indústria editorial portuguesa.

Expositor D47

Realizada anualmente, a Feira do Livro de Lisboa inicialmente ocupava a Praça D. Pedro IV, mais conhecida como Rossio. No entanto, com o crescimento do evento e a necessidade de mais espaço, a feira foi transferida em 1980 para o Parque Eduardo VII, onde permanece até hoje. Este local icônico, situado no coração da cidade, oferece um cenário perfeito para acolher milhares de visitantes que, a cada ano, se dirigem ao evento para descobrir as últimas novidades literárias.

Volume II

Ao longo das décadas, a Feira do Livro de Lisboa evoluiu significativamente. Nos primeiros anos, as bancas eram simples estruturas de madeira e a oferta de livros era limitada. Hoje, a feira conta com dezenas de pavilhões modernos, representando centenas de editoras nacionais e internacionais, oferecendo uma vasta gama de títulos que abrangem todos os géneros e públicos. Além disso, o evento tem sido marcado por uma crescente diversificação das atividades, incluindo lançamentos de livros, sessões de autógrafos, debates, palestras, workshops e atividades para crianças.

A feira é também uma oportunidade para os leitores interagirem diretamente com os autores. Muitos escritores de renome, tanto portugueses quanto estrangeiros, participam do evento, proporcionando momentos únicos de troca e discussão sobre literatura. Este contato direto entre escritores e leitores é um dos elementos mais valorizados da Feira do Livro de Lisboa.

Além do seu papel cultural, a Feira do Livro de Lisboa tem uma importância económica significativa para o setor livreiro em Portugal. O evento é um dos principais impulsionadores de vendas de livros no país, proporcionando uma plataforma crucial para editoras e livrarias promoverem os seus produtos a um público alargado.

Nos últimos anos, a feira tem-se adaptado às mudanças tecnológicas e às novas formas de consumo de literatura. A presença de e-books e audiolivros tem aumentado, e as editoras procuram cada vez mais integrar estas novas tendências nos seus catálogos. Além disso, a feira tem procurado ser mais inclusiva e acessível, com iniciativas como a criação de espaços para pessoas com mobilidade reduzida e a programação de atividades para todos os públicos.

A Feira do Livro de Lisboa, com a sua longa história e constante adaptação aos tempos, continua a ser um ponto de encontro essencial para todos os amantes de livros, celebrando a literatura e promovendo o hábito da leitura em Portugal.

Primeira edição, especial para coleccionadores

Ndalatando: Uma biblioteca com dez mil livros

Ndalatando: Uma biblioteca com dez mil livros

Ndalatando – Uma nova biblioteca com dez mil livros e capacidade para mil utentes será construída este ano na província do Cuanza-Norte, anunciou o governador João Diogo Gaspar na terça-feira.

O anúncio ocorreu na reabertura da biblioteca provincial atual, que foi restaurada e equipada graças a um grupo de académicos naturais e amigos do Cuanza-Norte. A nova infraestrutura substituirá a biblioteca construída no período colonial, inadequada para as necessidades atuais. João Gaspar destacou que a nova biblioteca atenderá à densidade populacional e à expansão do ensino superior na província.

A reinauguração da biblioteca provincial é vista como um impulso ao ensino e à aprendizagem, facilitando a elaboração de monografias, teses e obras científicas. O governador agradeceu aos colaboradores pela iniciativa e pediu apoio da população na preservação das infraestruturas públicas e privadas.

Manuel Bengui Maqueledende, representando os benfeitores, afirmou que a iniciativa visa ajudar a classe estudantil e incentivar o hábito da leitura. O grupo doou quatro computadores, 486 livros, incluindo a monumental História de Angola de Carlos Mariano Manuel, além de internet e outros recursos. Eles expressaram a intenção de continuar colaborando com o governo para o desenvolvimento da província.

A biblioteca atual tem cerca de duas mil obras e capacidade para 30 leitores. A província do Cuanza-Norte possui dez municípios.

Fonte: ANGOP

África Agora: “É preciso rever a verdade histórica sobre a escravatura” Jonuel Gonçalves, académico e autor

África Agora: “É preciso rever a verdade histórica sobre a escravatura” Jonuel Gonçalves, académico e autor

No programa da Voz da América (VOA), África Agora, de 24 de Maio de 2024, revisitou a história da escravatura e abordou as reparações às nações africanas, tendo por base as recentes declarações do Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa.

“Temos que pagar os custos (…) há ações que não foram punidas e os responsáveis não foram presos? Há bens que foram saqueados e não foram devolvidos? Vamos ver como podemos reparar isso.” O programa “África Agora” abordou o tema com o economista, jornalista, autor e professor universitário angolano, Jonuel Gonçalves.

O África Agora é um espaço que dá voz às preocupações públicas com especialistas convidados na Voz da América.

O desafio da continuidade e a sua necessidade

O desafio da continuidade e a sua necessidade

POR SEDRICK DE CARVALHO

Desde 2017 que publico nas redes sociais sugestões de leitura de obras angolanas, primeiro no perfil pessoal do Facebook e, actualmente, por intermédio das redes sociais da editora Elivulu, que coordeno. A recomendação é acompanhada com referência ao ano de publicação do livro e, logicamente, o nome da autora ou autor. Este exercício permitiu-me perceber a importância da biobibliografia de quem publica uma obra.
Tomás Lima Coelho, amigo da editora desde a primeira hora, atento ao trabalho desenvolvido e, em especial, às sugestões de leitura, ofereceu-nos a segunda edição do seu livro Autores e Escritores de Angola – 1642-2018, e assim passamos a ter as nossas sugestões de leitura mais completas: título da obra, ano de publicação, autoria e o seu local e ano de nascimento.
Esta obra é um trabalho monumental organizado ao longo de mais de dez anos, com imenso sacrifício e consequências a nível pessoal, como a falta de tempo para dedicar-se a outros projectos literários e até à família. O próprio admitiu-o. E acrescenta que, como precisa de dedicar-se a outras coisas e escritos, era urgente encontrar um sucessor para o fantástico trabalho, mas hercúleo, que é esta obra.
Pensei imenso antes de aceitar esta responsabilidade, mas adianto o que fez-me aceitá-la. No momento que precisamos de sair de cena, surge-nos a questão sobre quem dará continuidade ao nosso trabalho. John Maxwell fala sobre o legado no livro As 21 irrefutáveis leis da liderança, apontando que o legado ocorre quando líderes estão em condições de se afastarem sem receio de colocar em risco os projectos, isto porque conseguiram garantir a existência de outros líderes em posição de dar continuidade ao que dedicamos a nossa vida para construir. É com esta preocupação que fui abordado por Tomás Lima Coelho, e foi com este dilema com que me debati: honrar o legado. Aceitei o desafio, e fi-lo pela necessidade de que o seu magnífico trabalho tenha continuidade, para que não fique desactualizado e ultrapassado passado o tempo. Entretanto, ao mesmo tempo, temia pela tamanha responsabilidade que assumia. A fase de transmissão de projectos/trabalhos para outrem é crucial, pois pode ocorrer a sua extinção. Sem experiência de trabalho similar, esta missão revelou-se extremamente delicada e difícil.
O processo de recolha e registo exige imensa disponibilidade, além do que julgava à partida. O contacto directo com editoras, escritoras e escritores, livrarias e alfarrabistas a pedir informações sobre determinados livros e suas biografias traduziu-se numa colossal aventura. Não deixei de pensar em desistir diante de tantas dificuldades em obter os dados exactos e, às vezes, até mesmo perante incompreensões quando solicitava pelos mesmos. Mas a importância deste trabalho é superior aos constrangimentos e dificuldades que acarreta. Felizmente, Tomás Lima Coelho continua disponível, pelo que me acompanhou ao longo desta primeira etapa da entrega do bastão, qual estafeta que corre lado a lado na pista com o colega para garantir que agarra firme o objecto e marca com firmeza os primeiros passos do sprint.
Desta corrida resultou num total de 515 novos autores e escritores registados. É este o resultado destes três anos que se incrementam ao trabalho, reunindo agora os autores e escritores angolanos de 1642 a 2022.

Esta nova edição do livro AUTORES E ESCRITORES DE ANGOLA 1642-2022 vai estar disponível da Feira do Livro de Lisboa, no stand da Promobooks