Luanda Capital da Cultura da CPLP 2022

Luanda Capital da Cultura da CPLP 2022

NOTÍCIA DA CPLP

Uma série de eventos vão assinalar a cidade de Luanda, capital da República de Angola, como «Capital da Cultura da CPLP», entre 29 e 5 de maio de 2022, em formato híbrido, com atividades temáticas presenciais e em formato virtual. 

No âmbito estatutário, vão decorrer a XI Reunião de Ministros do Turismo da CPLP e a XII Reunião de Ministros da Cultura da CPLP, respetivamente, a 3 e 4 de maio de 2022. No dia 5 de maio, está em agenda a cerimónia solene de celebração do Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP e Dia Mundial da Língua Portuguesa.

O programa previsto da «Capital da Cultura da CPLP – Luanda 2022» contempla, também, atividades culturais performativas nas áreas da música, dança, teatro, cinema e exposições.

De igual forma, enquanto espaço de encontro e de promoção da diversidade de expressões culturais, preveem-se ainda iniciativas de carácter reflexivo sobre a gastronomia típica de cada Estados-Membro, a Cultura e a Língua Portuguesa. Estas atividades serão materializadas através da realização de um Ciclo de Debates, do Encontro de Escritores, do Encontro das Academias de Letras da CPLP, do Mercado Cultural da CPLP (feira de produtos culturais), de uma Feira do Livro e de uma Feira Gastronómica.

A realização da «Capital da Cultura da CPLP» ambiciona o reforço dos laços históricos, de promoção da diversidade cultural e da Língua Portuguesa, reafirmando a importância da cultura na relação e na aproximação entre os povos dos Estados-Membros da CPLP.

O Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente de Angola, no âmbito do exercício da presidência rotativa da CPLP, assume a coordenação e organização da Capital da Cultura da CPLP – Luanda 2022, tendo sido criada uma Comissão Organizadora com representantes de todos os Estados-Membros da CPLP, designadamente, os pontos focais da Cultura, entidades das Direções Gerais das Artes ou estruturas nacionais congéneres. 

Recorde-se que, em 2014, em Maputo, a IX Reunião de Ministros da Cultura da CPLP decidiu instituir a «Capital da Cultura da CPLP» como iniciativa a implementar no âmbito da cooperação cultural multilateral e estabeleceram que o Estado-Membro que detém a Presidência em exercício da Organização Internacional vai acolher o evento na vigência do seu mandato.

Quinto aniversário do lançamento de “Autores e Escritores de Angola”

Miguel Kiassekoka*: Alocução na apresentação da 1ª edição na sede da CPLP

Em primeiro lugar, os meus sinceros agradecimentos ao Tomás Lima Coelho, autor de “Autores e Escritores de Angola (1642-2015)”, obra de valor inestimável para a História e a cultura do espaço geográfico chamado Angola. Os meus agradecimentos estendem-se ao editor, aos outros apresentadores e a todos os presentes.
É uma honra e um privilégio participar neste acto simbólico: o lançamento de um livro destinado a perpetuar, na sua pluralidade e diversidade, a dimensão universal da cultura Angolana.
Propor-me falar dos 1.780 autores e escritores, incluindo o próprio autor, seria uma missão impossível. Assim, irei abordar esta obra de uma outra forma, pelo que peço a vossa benevolência.
Há anos, através de um escritor angolano, Tazuary Nkeita (José Soares Caetano), tive conhecimento do trabalho que o amigo Tomás Lima Coelho publicava e actualizava mensalmente na internet. Fiquei impressionado pela paciência, pela qualidade e volume do trabalho.
Transmiti ao Tomás a importância de publicar em papel a informação já recolhida na altura. A ideia foi aceite e o Tomás empenhou-se em concretizá-la. Mais uma vez, dou os meus parabéns ao autor por esta obra-prima, a primeira do género, que congrega todos os angolanos, independentemente da raça, credo politico ou religioso ou área de nascimento. 

Sede da CPLP em Lisboa, Setembro de 2016


O livro tem a particularidade de apresentar a Angolanidade, espalhada no mundo inteiro, desde 1642 aos nossos dias. Tomás Lima Coelho tem o mérito de  não fechar essa Angolanidade nos marcos de um incompreensível chauvinismo registado ultimamente,  ligado a um certo preconceito de “genuinidade” que tanto mal já provocou no continente berço, a nossa África.

(mais…)