Archives em Abril 2022

Primeiro volume de “Os Bantu na visão de Mafrano” surpreende o Lubango

Primeiro volume de “Os Bantu na visão de Mafrano” surpreende o Lubango

O arcebispo emérito do Lubango, Dom Zacarias Kamuenho, testemunhou na quinta-feira o anúncio oficial da colectânea “Os Bantu na visão de Mafrano”, de Maurício Francisco Caetano, perante 127 alunos do Seminário de Filosofia do Lubango, na província de Huíla.

A cerimónia simbólica teve lugar na tarde de quinta-feira feira, dia 28 de Abril, na cidade do Lubango, e consistiu na oferta de alguns exemplares àquela instituição religiosa.

A obra está a ser publicado a título póstumo pelo filho do autor, o jornalista e também escritor Tazuary Nkeita (José Caetano).

Os alunos do Seminário do Lubango foram os primeiros a ter um contacto físico com o primeiro volume desta obra histórica cujo lançamento está previsto para o dia 14 de Maio em Luanda.

Dom Zacarias Kamuenho é o autor do prefácio de “Os Bantu na visão de Mafrano”.

“Estou muito feliz com este acontecimento”, disse o arcebispo emérito do Lubango.

A obra de Maurício Caetano, um ex-seminarista e professor do então bispo Dom Eduardo André Muaca, foi elaborada a partir de textos publicados no jornal católico “O Apostolado”, entre 1957 e 1982.

Maurício Caetano foi professor de filosofia e de língua portuguesa e também funcionário de finanças, até a sua morte em 1982.

Dom Zacarias Kamuenho recebe obra de Maurício Francisco Caetano

Luanda Capital da Cultura da CPLP 2022

Luanda Capital da Cultura da CPLP 2022

NOTÍCIA DA CPLP

Uma série de eventos vão assinalar a cidade de Luanda, capital da República de Angola, como «Capital da Cultura da CPLP», entre 29 e 5 de maio de 2022, em formato híbrido, com atividades temáticas presenciais e em formato virtual. 

No âmbito estatutário, vão decorrer a XI Reunião de Ministros do Turismo da CPLP e a XII Reunião de Ministros da Cultura da CPLP, respetivamente, a 3 e 4 de maio de 2022. No dia 5 de maio, está em agenda a cerimónia solene de celebração do Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP e Dia Mundial da Língua Portuguesa.

O programa previsto da «Capital da Cultura da CPLP – Luanda 2022» contempla, também, atividades culturais performativas nas áreas da música, dança, teatro, cinema e exposições.

De igual forma, enquanto espaço de encontro e de promoção da diversidade de expressões culturais, preveem-se ainda iniciativas de carácter reflexivo sobre a gastronomia típica de cada Estados-Membro, a Cultura e a Língua Portuguesa. Estas atividades serão materializadas através da realização de um Ciclo de Debates, do Encontro de Escritores, do Encontro das Academias de Letras da CPLP, do Mercado Cultural da CPLP (feira de produtos culturais), de uma Feira do Livro e de uma Feira Gastronómica.

A realização da «Capital da Cultura da CPLP» ambiciona o reforço dos laços históricos, de promoção da diversidade cultural e da Língua Portuguesa, reafirmando a importância da cultura na relação e na aproximação entre os povos dos Estados-Membros da CPLP.

O Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente de Angola, no âmbito do exercício da presidência rotativa da CPLP, assume a coordenação e organização da Capital da Cultura da CPLP – Luanda 2022, tendo sido criada uma Comissão Organizadora com representantes de todos os Estados-Membros da CPLP, designadamente, os pontos focais da Cultura, entidades das Direções Gerais das Artes ou estruturas nacionais congéneres. 

Recorde-se que, em 2014, em Maputo, a IX Reunião de Ministros da Cultura da CPLP decidiu instituir a «Capital da Cultura da CPLP» como iniciativa a implementar no âmbito da cooperação cultural multilateral e estabeleceram que o Estado-Membro que detém a Presidência em exercício da Organização Internacional vai acolher o evento na vigência do seu mandato.

Fortaleza encheu para um encontro inesquecível com a História

No primeiro dia de Abril anunciámos a apresentação pública em Luanda, do Tratado de História de Angola “Angola: desde antes da sua criação pelos portugueses até ao êxodo destes por nossa criação“, do Prof. Doutor Carlos Mariano Manuel. Um monumental trabalho científico publicado com a mais elevada qualidade e que representa para o Autor e para o Editor uma oportunidade para construirmos caminhos mais sólidos na unidade nacional e almejar o reencontro com os valores Bantu e Humanistas, sem esquecer a oportunidade de contribuirmos para o aumento da auto-estima de todos os Angolanos.

Há acontecimentos que são inesquecíveis. Depois do sucesso no Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, ver a Fortaleza de São Miguel a encher para um encontro inédito e inesquecível com a História, ouvir a generosa participação do Senhor Ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, Prof. Doutor Carlos Mariano Manuel, do cientista social Dr. José Luís Mendonça, público, representantes da Liga Africana e sobreviventes da Luta de Libertação nacional.

A editora fica eternamente agradecido aos “magníficos, muito honrados e soberanos senhores da República de Angola”.

Canto da Sereia chega a Luanda

Canto da Sereia chega a Luanda

A necessidade dos músicos angolanos apostarem na qualidade das composições, da produção e edição das obras discográficas, para um melhor e maior consumo da população, foi recomendado, em Luanda, pelo compositor Filipe Zau.

O também ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, que falava a imprensa, quarta-feira, no final da cerimonia do lançamento da obra discográfica “Canto terceiro da sereia: O encanto”, de sua autoria e de Filipe Mukenga, sublinhou que os artistas devem fazer trabalhos com maior qualidade e brio possível, para o legado das futuras gerações.

“Os músicos não devem ter pressa para compor, produzir, editar e lançar uma obra, o produto deve ter qualidade necessária e apresentar conteúdo consumível e que não perde actualidade”, referiu.

Conforme o autor do disco “Canto terceiro da sereia: O encanto”, a qualidade de uma obra discográfica depende, igualmente, do investimento feito na produção.

Por outro lado, fez saber que o CD lançado surge de uma amizade de 44 anos com Filipe Mukenga  e o mesmo retrata as vivencias, as histórias dos povos, bem como o reencontro de dois irmãos.

Acrescentou que o CD, uma opera jazz, faz parte de uma trilogia musical iniciada nos anos 90 e inspirada na “Kianda”, figura mitologia dos pescadores da Ilha de Luanda.

“A obra discográfica lítero-musical tem como pano de fundo as memórias de um tripulante em navios da antiga marinha mercante e de um seu irmão, condutor de uma máquina a vapor na antiga linha férrea do Amboim (Cuanza Sul)”, realçou.

O CD foi gravado entre 2014 e 2019, em estúdios em Luanda, Paris, Amesterdão, Lisboa, Faro e Los Angeles.

Filipe Mukenga e Filipe Zau mantêm, há 36 anos, uma parceria da qual resultou na composição de mais de 80 músicas inéditas.

Filipe Mukenga é natural de Luanda, cantor e compositor há mais de 45 anos, tem no mercado quatro álbuns discográficos, sendo que o primeiro, intitulado “Novo Som”, foi lançado em 1990.

Já o músico Filipe Silvino de Pina Zau, compositor, poeta e investigador nascido em Lisboa, é doutorado em Ciências da Educação.

Ministro da Cultura, Turismo e Ambiente Filipe Zau, assina autógrafo © Fotografia por: António Escrivão (ANGOP)

Fonte: ANGOP