Filipe Mukenga: “sou um músico autodidata”

Filipe Mukenga: “sou um músico autodidata”

“Muito jovem, despertou para a música ao som dos cânticos da Igreja Metodista. Cresceu com o rock, da década de 60. Descobriu os ritmos e as melodias da música tradicional e apaixonou-se. Explorou a música popular angolana, o jazz. Juntou todas as influências e criou alguns dos mais expressivos temas da música nacional das últimas décadas. Aos 72 anos, continua à procura de novos desafios.”
A jornalista Susana Gonçalves, da revista Austral, desafiou o compositor, durante o lançamento do disco “Canto Terceiro da Sereia: O Encanto” na Universidade Independente de Angola, “a recordar momentos de vida e companheiros de percurso, exercício que resultou numa sucessão de ternas
memórias e revelações que ajudam a contar a sua história.”

Uma grande entrevista na revista “Austral” nº 152 de Agosto-Setembro de 2022.

3ª edição do livro/disco “Marítimos” (2022) que incluí disco “Canto Terceiro da Sereia: O Encanto” está disponível para entrega.

Canto da Sereia chega a Luanda

Canto da Sereia chega a Luanda

A necessidade dos músicos angolanos apostarem na qualidade das composições, da produção e edição das obras discográficas, para um melhor e maior consumo da população, foi recomendado, em Luanda, pelo compositor Filipe Zau.

O também ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, que falava a imprensa, quarta-feira, no final da cerimonia do lançamento da obra discográfica “Canto terceiro da sereia: O encanto”, de sua autoria e de Filipe Mukenga, sublinhou que os artistas devem fazer trabalhos com maior qualidade e brio possível, para o legado das futuras gerações.

“Os músicos não devem ter pressa para compor, produzir, editar e lançar uma obra, o produto deve ter qualidade necessária e apresentar conteúdo consumível e que não perde actualidade”, referiu.

Conforme o autor do disco “Canto terceiro da sereia: O encanto”, a qualidade de uma obra discográfica depende, igualmente, do investimento feito na produção.

Por outro lado, fez saber que o CD lançado surge de uma amizade de 44 anos com Filipe Mukenga  e o mesmo retrata as vivencias, as histórias dos povos, bem como o reencontro de dois irmãos.

Acrescentou que o CD, uma opera jazz, faz parte de uma trilogia musical iniciada nos anos 90 e inspirada na “Kianda”, figura mitologia dos pescadores da Ilha de Luanda.

“A obra discográfica lítero-musical tem como pano de fundo as memórias de um tripulante em navios da antiga marinha mercante e de um seu irmão, condutor de uma máquina a vapor na antiga linha férrea do Amboim (Cuanza Sul)”, realçou.

O CD foi gravado entre 2014 e 2019, em estúdios em Luanda, Paris, Amesterdão, Lisboa, Faro e Los Angeles.

Filipe Mukenga e Filipe Zau mantêm, há 36 anos, uma parceria da qual resultou na composição de mais de 80 músicas inéditas.

Filipe Mukenga é natural de Luanda, cantor e compositor há mais de 45 anos, tem no mercado quatro álbuns discográficos, sendo que o primeiro, intitulado “Novo Som”, foi lançado em 1990.

Já o músico Filipe Silvino de Pina Zau, compositor, poeta e investigador nascido em Lisboa, é doutorado em Ciências da Educação.

Ministro da Cultura, Turismo e Ambiente Filipe Zau, assina autógrafo © Fotografia por: António Escrivão (ANGOP)

Fonte: ANGOP

3ª edição (2022) do livro/disco “Marítimos” que inclui o disco “Canto terceiro da sereia: O encanto” está disponível para encomendar.

Prémio Nacional de Cultura e Artes 2021

Prémio Nacional de Cultura e Artes 2021

A equipa técnica das editoras Alende (Angola) e Perfil Criativo (Portugal) felicitam todos os distinguidos pelo Prémio Nacional de Cultura e Artes, edição 2021, do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente.

O músico e compositor Filipe Mukenga foi distinguido na categoria de Música, a escritora e poetisa Amélia Dalomba na categoria de Literatura, Ana Silva na categoria de Artes visuais e Plásticas, Rogério Ferreira de Carvalho, na categoria de Teatro, Projecto “Benguela Street Dance”, dirigido pela coreógrafa Alda Lara, Afonso José Salgado Costa, na categoria de Cinema e Audiovisuais e a Associação Tchiweka de Documentação, na categoria de Investigação em Ciências Sociais e Humanas.

O corpo do júri do Prémio Nacional de Cultura e Artes, edição 2021 foi composto pelas seguintes personalidades: Presidente – José Octávio Serra Vandúnem e vice-presidente Noelma d’Abreu, (categoria de investigação em ciências sociais e humanas), Abreu Paxe e António Quino (Literatura), Kiluanje Kia Henda e Paula Nascimento (Artes Visuais e Plásticas), Agnela Barros e José Teixeira (Teatro), Afonso António e Edson Macedo (Cinema e Audiovisuais), Eduardo Sambo e Mário Furtado (Música), Ana Clara Guerra Marques (Consultora para a Dança) e Adriano Mixinge (Secretário do PNCA).

O Prémio Nacional de Cultura e Artes foi instituído em 2000, com o propósito de galardoar criadores nas disciplinas de literatura, cinema e áudio visuais, artes plásticas, artes de espectáculos e investigação em ciência humanas e sociais.

Dentro do nosso trabalho destacamos o livro “Marítimos” (2ª edição, 2021) uma homenagem ao 46º aniversário da República de Angola e ao 67º aniversário da fundação do Clube Marítimo Africano (CMA). Esta edição especial inclui o CD “Canto Terceiro da Sereia: O Encanto”, música de Filipe Mukenga, e a publicação de um conjunto alargado de documentos em fac-símile do arquivo Lúcio Lara da Associação Tchiweka de Documentação.