Autor: Filipe Zau (publicado no Jornal de Angola de 2 de Março de 2018)

Há quem afirme que África foi descoberta quando a origem da humanidade está em África. Como se de coisas se tratasse, a imagem dos “descobrimentos” opõe-se ao encontro entre povos, culturas e civilizações e está muito associado ao conceito de “lusofonia”. Mas os povos colonizados não se encontravam perdidos e não precisavam de nenhum reconhecimento da sua humanidade, nem de nenhuma ratificação das suas identidades.

Independentemente das especificidades inerentes a cada um dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, hoje constituídos em FORPALOP, houve, do ponto de vista identitário, para todos eles, um contacto de meio milénio com a administração colonial portuguesa, com o povo português e com a língua portuguesa, independentemente da situação de dominação que está na origem da luta clandestina e das guerras coloniais para a obtenção das respectivas autonomias políticas, económicas e culturais. Este contacto de meio milénio constitui uma primeira vertente de identidade histórica e cultural comum a todos os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. O associativismo e as acções nativistas e protonacionalistas que, a partir dos finais do século XIX, serviram de suporte para a edificação de um moderno nacionalismo africano, representa a segunda vertente identitária comum a estes cinco Estados africanos. Com a excepção de S. Tomé e Príncipe, a guerra pela independência nacional constitui uma terceira vertente de identidade comum. Pela sua própria natureza, a guerra foi factor dissociativo, com o seu cortejo infindável de tragédias e paradoxalmente, foi também factor associativo de identidade nacional, ao atingir, directamente, toda a sociedade angolana, guineense e moçambicana, independentemente das origens etnolinguísticas ou sócio-económicas. Também a sociedade cabo-verdiana, embora de forma indirecta (já que o PAIGC representava a Guiné e Cabo Verde), faz parte também desta vertente identitária. Para as sociedades angolana e moçambicana, há ainda a pertença maioritária a uma mesma origem civilizacional bantu, à qual uma parte da sociedade santomense pertence, facto que, especificamente para estes três países, constitui uma quarta vertente identitária comum. Para todos, a língua portuguesa é língua oficial e de escolaridade. Mas, tal facto, não justifica em África uma hipotética “Palopofonia”, se me permitem o neologismo, à volta da língua portuguesa, enquanto património da humanidade. Maria Manuel Baptista, numa comunicação apresentada no III Seminário Internacional “Lusografias”, promovido pelo Centro de Investigação e Desenvolvimento em Ciências Sociais e Humanas da Universidade de Évora, que decorreu de 8 a 11 de Novembro de 2000, referiu o seguinte: “A presente comunicação parte da ideia de que o conceito de Lusofonia é um bom conceito para abandonar, pois é um termo que imagina designar e conter em si um espaço linguístico-cultural que teria desde logo como centro os ‘lusos’ ou os ‘lusíadas’, apesar de o discurso oficial, de intelectuais e políticos dos mais diversos quadrantes e formações, ser incapaz de assumir claramente, e sem hipocrisia, a não inocência de um tal conceito”. Maria Manuel Baptista sustenta esta afirmação com uma citação do professor e filósofo português Eduardo Lourenço, que, em 1999, no seu livro – “Cultura e Lusofonia ou os Três Anéis” – A Nau de Ícaro, seguido de Imagem e Miragem da Lusofonia, afirmou peremptoriamente: “Não sejamos hipócritas, nem sobretudo voluntariamente cegos: o sonho de uma Comunidade de Povos de Língua Portuguesa, bem ou mal sonhado, é por natureza – que é sobretudo história e mitologia – um sonho de raiz, de estrutura, de intenção e amplitude lusíada”. Acrescenta ainda que a questão da “Lusofonia” tal com a Francofonia, só pode ser adequadamente esclarecida num contexto mais vasto “que é o da nossa actual cultura mundializada, a braços com a, porventura, mais profunda crise que o pensamento ocidental já viveu, situação cultural e espiritual que tem sido comumente designada por pós-modernismo, pós-humanismo, pós-cristianismo ou pós-colonialismo”. De entre os intelectuais portugueses que têm procurado um sentido, simultaneamente retrospectivo e prospectivo, para a “lusofonia”, destaca-se, de facto, Eduardo Lourenço, “um europeísta convicto, ora crítico e desiludido, ora utópico e entusiasta”, mas, face à “lusofonia” são claras e reiteradamente assumidas as suas posições, nos diversos textos que tem publicado sobre esta matéria. Lamentavelmente, pouco divulgados. Fazendo minhas as palavras do recém-falecido Embaixador Luís Gaspar da Silva, que foi docente na Universidade de Minho, onde o conheci, no seu livro de política de cooperação, intitulado “Utopia seis destinos”, antes de qualquer lusotopia, há a necessidade de “fazer desaparecer definitivamente a ideia reaccionária de que o africano não é completamente normal, mas pode ser ‘assimilado’.” * Ph. D em Ciências da Educação e Mestre em Relações Interculturais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *