Na mensagem, o Prof. Dr. José Carlos Pereira argumenta que, “sendo o mais importante poeta angolano vivo, e um dos maiores poetas da língua portuguesa contemporâneos, a sua obra poética, cuja matriz é a metáfora das quedas de água do rio Cutato da sua infância e adolescência, que afirma serem a sua pátria inaugural da Poesia, é um hino à Humanidade, à sua mais absoluta liberdade e felicidade, à religião do Homem com a Terra e o Ser, mas sem nunca olvidar a angústia de estar vivo e haver Paraíso a habitar, nomeá-lo, festivo e habitável, numa universalidade absoluta do ser humano, num lirismo presciente, a partir de algum telurismo inequivocamente angolano, que, todavia abarca o mundo, a Terra no seu todo, os países e suas peculiares e singularíssimas geografias físicas e humanas, numa harmonia sempre possível, inconteste, soberana e perfeita “.

Zetho Cunha Gonçalves, nasceu no Huambo, em 1 de julho de 1960. É um poeta, ensaísta, tradutor e autor de literatura infantil angolano. Estudou agronomia antes de se dedicar à literatura. Traduziu a obra O desejo é uma água, de Antonio Carvajal, e organizou antologias de poesias e contos angolanos. Também editou obras de Natália Correia, Eça de Queiroz e Fernando Pessoa.

Zetho Gonçalves passou a infância e adolescência no Cutato ( pequena povoação na província do Cuando-Cubango, a que chama a sua “pátria inaugural da Poesia”). Estudou no Colégio Alexandre Herculano, na cidade do Huambo, e Agronomia na extinta Escola de Regentes Agrícolas de Santarém, em Portugal. Exerceu várias profissões: de tratador de gado numa fazenda a empregado de escritório, de vendedor de publicidade e publicitário a director adjunto de um jornal de turismo falido, de empregado de mesa em restaurantes e pesquisador de notícias para uma empresa da especialidade a intermediário e conselheiro de bibliófilos.

É membro da Comissão Executiva da revista electrónica Mulemba- Revista de Estudos de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e tem colaboração dispersa por jornais e revistas de Angola, Brasil, Espanha, Itália, Moçambique e Portugal. Tem participado em vários colóquios e encontros literários em Portugal, Brasil, Itália e Cuba. Está representado em diversas antologias colectivas e as suas obras estão traduzidas para alemão, espanhol, hebraico e italiano.

Vive actualmente em Lisboa, dedicando-se inteiramente à literatura.

Fontes : Novo Jornal Online e Literatura Blogspot.

Texto: Armindo Laureano, Vivências Press News

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *